O País – A verdade como notícia

Polícia queniana matou cerca de 50 pessoas após eleições

A polícia queniana matou entre 33 e 50 pessoas e feriu outras centenas nalgumas partes de Nairóbi, em resposta aos protestos ocorridos após as eleições de Agosto, revela um relatório conjunto da Amnistia Internacional e da Human Rights Watch, citado pelo Observador.

O relatório, “Matem esses criminosos”: Violações das Forças de Segurança nas eleições de Agosto de 2017 no Quénia”, hoje divulgado, documenta o uso excessivo de força pela polícia e, em alguns casos, por outros agentes de segurança, contra manifestantes e moradores de alguns bastiões da oposição.

Os investigadores descobriram que, embora a polícia se comportasse adequadamente em alguns casos, em muitos outros matou ou espancou manifestantes até à morte.

Outras vítimas morreram por asfixia devido à inalação de gás lacrimogéneo e gás pimenta, ao serem atingidas por lâmpadas de gás disparadas de perto, ou esmagadas por multidões em fuga.

De acordo com o relatório, a polícia esteve directamente envolvida nas mortes de pelo menos 33 pessoas. Outras 17 foram presas e mortas, a maioria delas em Kawangware, mas os investigadores não conseguiram confirmar os casos.

“As autoridades quenianas devem assegurar urgentemente que todos os responsáveis pelo uso ilegal da força sejam responsabilizados e que a polícia cumpra as leis e normas internacionais sobre o uso da força durante o próximo período de repetição de eleições”, defende o documento.

A investigação anterior da Human Rights Watch tinha documentado 12 assassinatos da polícia durante os protestos no oeste do Quénia. A Comissão Nacional de Direitos Humanos do Quénia, por seu lado, documentou 38 mortes, cinco das quais são complementares as 33 referidas no relatório de hoje.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos