O País – A verdade como notícia

Pico da pandemia da COVID-19 pode já ter passado em África

A chefe da Organização Mundial de Saúde (OMS) em África, Matshidiso Moeti, acredita que o continente poder já ter passado pelo pico da pandemia do novo Coronavírus, mas aconselha mais cutela agora que muitos países abrem a economia.

Num encontro virtual de ministros africanos da Saúde, a médica e especialista em saúde pública disse que o número de novos casos estava a diminuir, mas alertou contra a complacência para evitar uma segunda vaga de infecções, a par do que está a acontecer, por exemplo, na Bélgica, Holanda e Espanha.

“Estamos a ver que tivemos o que parece ter sido um pico. Agora temos números diários de casos a serem relatados globalmente na região a descer”, afirmou a dirigente, segundo escreve a Lusa, citando a AFP.

Apesar do aumento do número de casos positivos em alguns países, como a Namíbia, a directora regional da OMS para África teceu elogios aos líderes africanos por terem tomado “decisões extremamente corajosas e difíceis” para programar bloqueios para os seus países e economias a fim de “evitar a catástrofe prevista nas primeiras projecções sobre como o novo Coronavírus afectaria o continente”.

Mas agora que muitos governos estão a começar a levantar as regras de bloqueio impostas para limitar a propagação do vírus – em Moçambique é assim também – e há abertura de economias, “é necessária uma maior vigilância”, uma vez que a situação continua a ser muito grave.

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, exortou os ministros a aproveitarem a pandemia para reforçar as suas infraestruturas de saúde. “COVID-19 ensinou-nos que sistemas de saúde fortes são uma questão de segurança nacional e sobrevivência”, aponta a Lusa, com base na sua fonte.

O continente africano registou, até esta quarta-feira, 1.202.918 pessoas pela COVID-19, das quais 28.276 morreram e 931.057.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos