O País – A verdade como notícia

Perto de 100 pessoas detidas por desobediência as medidas do Estado de Emergência

A INAE penaliza restaurantes barracas e bares que continuam a promover aglomerado de pessoas vendendo bebidas alcoólicas. As penalizações abrangem ainda agentes económicos que continuam a especular preços de produtos da primeira necessidade.

 

Dez restaurantes encerrados e mais de 100 pessoas entre agentes económicos e consumidores de bebidas alcoólicas foram detidas por desobediência as medidas de Estado de Emergência.

Segundo a Inspetora Geral das atividades Económicas, Ritas Freitas, muitas barracas, bares e cervejarias continuam vender bebidas alcoólicas e promovendo o aglomerados de pessoas mesmo depois de fechar os estabelecimentos.

“A policia já está atuar nestes casos, dai que umas cem pessoas foram detidas por desobediência”, informou a Inspetora Geral do INAE,  acrescentando que foram encerradas dez restaurantes quatro na cidade de Maputo e outros seis nas províncias.

A especulação de preços dos produtos da primeira necessidade ainda é uma realidade em quase todas as províncias, a inspetora geral da INAE adverte que as medidas serão duras para os oportunistas.

“ Ainda não há nenhum detido relacionado com especulação de preços mas já há processo em cursos e aos prevaricadores, de acordo com a lei serão condenados a dois anos de prisão e uma multa de cinco vezes mais do que o produto especulado e todos os produtos da loja vão reverter-se a favor do estado”, avançou Rita Freitas.

A INAE apela ainda aos cidadãos para exigirem aos comerciantes a colocação de preços e denunciarem aos agentes económicos desonestos.

Entretanto nas barracas do mercado do museu, na cidade de Maputo, os agentes Económicos negam que estejam agir fora do recomendado e acusam a polícia de aproveitar-se da situação para extorquir os seus produtos, como aconteceu com este proprietário, na última quarta- feira.

“Na quarta-feira a polícia veio aqui por volta das zero horas, não estávamos a vender e já estávamos fechados, só estava o guarda, arrombaram a porta e levaram todas as bebidas avaliadas em quase um milhão de meticais”, Lamentou o proprietário dumas das barracas sem entretanto querer ser identificado.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos