O País – A verdade como notícia

Pedido formal de apoio financeiro pode tirar SAMIMI do sufoco

FOTO – O País

O ministro da Defesa Nacional da República Portuguesa, João Gomes Cravinho, diz que a Força da SADC em Estado de Alerta pode superar o défice de fundos para continuar as operações no terreno com uma comunicação formal à União Europeia.

Em Cabo Delgado, os sucessos são vários nas zonas de combate. Boa parte das zonas de grande influência terrorista, a exemplo de Mocímboa da Praia, foram recuperadas pelas forças moçambicanas que trabalham em cooperação com tropas ruandesas e de vários países da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral.

Mas, o terrorismo já provou que não acaba fácil e a Força da SADC em Estado de Alerta sabe disso, daí que decidiu estender a sua permanência em Moçambique, contudo, com uma contrariedade, a falta de fundos.

O ministro da Defesa Nacional da República Portuguesa, João Gomes Cravinho, que está de visita ao país, defende que uma comunicação formal pode tirar o SAMIMI do “sufoco”.

“Ainda não há nenhum pedido formal de apoio à União Europeia, mas tem havido conversas informais sobre a matéria. De todas as formas, entendemos que este é um assunto que deve ser tratado de forma conjunta entre a União Africana e a União Europeia”, disse o dirigente.

Enquanto não se chega lá, Cravinho diz que Portugal estará sempre disposto a mobilizar apoios dentro da União Europeia e do próprio país, mesmo estando no meio de uma crise política que obriga a marcação de eleições antecipadas e dissolução do Governo.

“Uma das coisas que disse ao Presidente da República, Filipe Nyusi, e ao meu colega, o ministro da Defesa Nacional de Moçambique, Jaime Neto, é que, aconteça o que acontecer, Portugal sempre estará disposto a ajudar”, garantiu.

Prova disso, diz o dirigente, é que 50% do contingente da Missão de Formação Militar da União Europeia, a ser lançada nesta quarta-feira, é português, o que significa que Portugal é quem vai pagar a maior factura.

“Estão em curso discussões sobre a formação de um mecanismo europeu de apoio à paz. As questões financeiras não estão ainda muito claras, mas é óbvio que recai maior responsabilidade sobre aquele que coloca no terreno mais recursos humanos”, afirmou.

Aliás, Portugal está a enviar forças para formar as tropas moçambicanas no âmbito do combate ao terrorismo desde o fim de 2020. Agora esse trabalho será feito em coordenação com outros países da União Europeia.

 

A Missão de Formação da União Europeia, com um custo de 15 milhões de euros, vai capacitar 11 companhias de comandos e fuzileiros.

O ministro da Defesa Nacional da República Portuguesa alerta, entretanto, que todo o esforço militar será em vão, se não houver promoção do desenvolvimento.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos