O País – A verdade como notícia

Paulina Chiziane contribui para emancipação da mulher e da cultura moçambicanas

O Conselho Municipal de Maputo homenageou, esta sexta-feira, a escritora Paulina Chiziane por contribuir para emancipação da mulher e da cultura moçambicanas. Para Eneas Comiche, laurear a autora de O sétimo juramento ou Balada de amor ao vento.

 

O segundo dia da Feira do Livro de Maputo foi reservado à homenagem a Paulina Chiziane. No Átrio do Paços do Município, na tarde desta sexta-feira, a escritora viu a sua obra adaptada para a representação numa performance que contou com Lucrécia Paco e Eunice Mandlate em cena. Foi um dos melhores momentos da tarde. Emocionante. Cativante. Bem ensaiado.

A obra de Paulina Chiziane ganhou outra vida e outras personagens, e, a certa altura, aquela mulher tão forte e guerreira, cedeu e libertou algumas lágrimas. Muitos no auditório não perceberam. Mas ali também revelou-se o lado delicado da escritora que encontra na escrita uma razão de ser.

A propósito de ser, momentos depois de Mingas ecoar música aos poucos apreciadores de literatura presentes na cerimónia de homenagem, devido aos cuidados exigidos neste período de pandemia, Paulina Chiziane teve a oportunidade de dizer algumas palavras como que a dar lições de vida. Para a autora de O sétimo juramento, Niketche ou O canto dos escravos, tem havido um retrocesso social em Moçambique. E explicou. “Muitas vezes, nós conjugamos o verbo ser na negativa e não no equilíbrio ou no desenvolvimento”. A seguir a estas afirmações, rematou: “Se queres ser um homem livre, conjuga o verbo ser em todas as dimensões. Todas. Conjugar no equilíbrio e não na auto negação”.

Paulina Chiziane defendeu que saber conjugar o verbo ser e ter é essencial para que o povo moçambicano se valorize e alcance os seus próprios propósitos, sem se deixar dominar. “Eu sou, sim, e eu tenho. E ninguém me vai dizer que não. Foi com essa teimosia que cheguei onde cheguei. Não preciso contar mais histórias, porque todos me conhecem. Confusa quando eu quero”. Nisso, não se esqueceu de agradecer ao Conselho Municipal de Maputo pelo gesto. “Neste momento emocionante, agradeço ao Presidente do Conselho Municipal de Maputo, aos membros da Assembleia Municipal, aos meus queridos amigos artistas e a todos os que me acompanham”.

Na homenagem, o Presidente do Conselho Municipal de Maputo, Eneas Comiche, entregou à escritora alguns objectos simbólicos e um cheque gigante no valor de 120 mil meticais. Sobre o dinheiro, consoante experiências anteriores, a autora revelou: “Aquele dinheiro vou investir na concretização de um trabalho artístico. Eu nunca tenho dinheiro, porque sempre que tenho algum invisto em alguma coisa de arte. A minha vida sempre foi esta eterna busca pelo meu ser”. Já a terminar a sua intervenção: “Dedico este momento à liberdade. Eu não sou muito de fé, mas de certeza. A luta continua!”.

Antes de Paulina Chiziane ir ao pódio para tecer algumas palavras de circunstância, o Presidente do Conselho Municipal de Maputo explicou por que a Feira do Livro decidiu homenagear a escritora: “Nesta edição da Feira do Livro de Maputo decidimos, com unanimidade, homenagear Paulina Chiziane, por questões ligadas à coerência e à lucidez. Paulina escreve sobre Moçambique e sobre as nossas várias culturas de forma abundante. Além disso, critica e condena as assimetrias tipicamente machistas que subalternizam a mulher”. Para Eneas Comiche, Niketche, O sétimo juramento ou A balada são livros de um amor sincero, os quais são atravessados por experiências que dão sentido à nossa existência colectiva. “Homenagear Paulina Chiziane é reconhecer uma autora além-fronteiras, reivindicada por leitores de vários cantos do mundo. Quem a lê e a estuda, seguramente, entra em contacto com a cultura do nosso país”. Por isso, acrescentou, “o Conselho Municipal de Maputo está a laurear uma verdadeira embaixadora cultural de Moçambique”.

A homenagem a Paulina Chiziane coincidiu no ano em que a escritora celebra os 30 anos da publicação do seu livro de estreia: Balada de amor ao vento, publicado em Setembro de 1990.

 

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos