O País – A verdade como notícia

Paiva e Vilhete: os reis dos tabuleiros

Era de se esperar, até pelo domínio que vem exercendo nos últimos anos ao nível interno. Donaldo Paiva e Vânia Vilhete confirmaram, sábado último, o seu grande favoritismo ao revalidarem os títulos de campeões nacionais de xadrez em seniores masculinos e femininos.

Naquele que foi o seu segundo título consecutivo, Donaldo Paiva deixou para trás a forte concorrência de Vasco Viageiro, vice-campeão. Ao cabo de nove jornadas, Paiva contabilizou 7,5 pontos contra 7 de Viageiro, o que comprova o equilíbrio nesta prova de masculinos.

Aliás, Vasco Viageiro foi vice-campeão nacional pela segunda vez consecutiva, impondo empate no jogo com o seu rival, isto na 3ª jornada da prova disputada no Anfiteatro do Instituto Industrial e Comercial da Matola, Província de Maputo.

De resto, apenas meio ponto separou os dois primeiros classificados da prova disputada no sistema suíço (disputa entre os melhores), na qual Donaldo Paiva não perdeu nenhuma partida. A completar o pódio, ou seja, na 3ª posição ficou o xadrezista Napoleão Lourenço, ele que contabilizou seis pontos.

Mas, afinal, qual foi o trajecto seguido para, no final, ser coroado campeão nacional de xadrez? Donaldo Paiva iniciou a defesa do título com uma vitória sobre Ilídio Chunguane, representante de Maputo Cidade, na jornada inaugural.

Depois, na jornada seguinte, impôs-se diante de outro representante de Maputo Cidade: Napoleão Lourenço.

Veio a 3ª jornada, veio um duelo de dificuldades acrescidas. Frente ao vice-campeão Vasco Viageiro, Donaldo Paiva sentiu imensas e terminou a partida com um empate. Na 4ª jornada, Donaldo Paiva derrotou Rafael Chirindza, xadrezista de Maputo Província para, depois, na ronda seguinte, ceder um empate a Gilberto Wamusse de Maputo Cidade.

Donaldo Paiva voltou a vencer na 6ª jornada do Campeonato Nacional de Xadrez, desta feita frente a Orlando Nhacula de Maputo Cidade.

Já na 7ª jornada, o bicampeão nacional de xadrez empatou com Avertino Sande, representante da província da Zambézia. Mais duas vitórias, na 8ª e 9ª jornadas, respectivamente frente a Person Abrantes (Sofala) e Hamid Jamal (Maputo Cidade) foram suficientes para confirmá-lo como campeão nacional de xadrez.

Na classificação geral, Gilberto Wamusse, com cinco pontos e meio, terminou a prova na 4ª posição. Seguiram-se Person Abrantes (5ª), Rafael Chirindza (6ª) e Avertino Sande (7ª) ambos com cinco pontos.

Hamid Jamal (8°), Orlando Nhacula (9°), Ilídio Chunguane (10°), Gerson Mariano (11°), Carlos Mutumaio (12)°e Elvito Chirindza (13°) completam a tabela classificativa.

 

VÂNIA VILHETE IMPERIAL

Simplesmente demolidora. É assim que se tem revelado Vânia Vilhete nos campeoantos nacionais de xadrez, em femininos. A xadrezista conquistou, no sábado, o seu oitavo título consecutivo ao contabilizar seis pontos ao cabo de sete jornadas.

Vânia Vilhete teve, uma vez mais, como principal opositora a xadrezista Cheila André Sitoe, vice-campeã nacional que terminou a prova com cinco e meio. Melhor xadrezista dos últimos oito anos, Vânia Vilhete empatou com Katina Efentakis (Maputo Província) na primeira jornada.  Foi mais forte na 2ª  e 3ª jornadas frente a Sheila Judite Sitoe, xadrezista de Maputo Cidade, e Neusa De Castro, representante de Inhambane.  Diante de uma das mais promissoras xadrezistas da actualidade, Naira Sinóia, da província de Cabo Delgado, Vânia Vilhete voltou a empatar. Recompô-se, certo, na 5ª e 6ª rondas, quando venceu respectivamente Ana Malenda, de Maputo cidade, e Leidy Rufino, representante de Tete. Em termos de classificação, Neusa de Castro, com três pontos e meio, ficou na 3ª posição, seguida de Katina Efentakis (três) e Sheila Judite Sitoe (dois e meio). Já Leidy Rufino (dois pontos) e Ana Malenda (1 ponto) quedaram-se na 6ª e 7ª posições, respectivamente.

Enquanto isso,Celso Manjate e Iladmish Rufino sagram-se campeões nacionais de juniores masculinos e femininos, respectivamente.

Em seis jornadas, Celso Manjate contabilizou igual número de pontos, seguido de João Farisse com quatro. Jojó Sarajabo (3°), Cerramildo Tajabo (4°) e Remígio Eduardo (5°) somaram dois pontos, enquanto Hidrisse Sande (6°) obteve um ponto.

Nos femininos, Ildamish Rufino fechou a sua participação nos “nacionais” com quatro pontos em cinco jornadas, seguida de Yara Macamo (com três e meio).

Na 3ª e 4ª posições, respectivamente, ficaram Ester Mapaco e Nash De Melo, ambas com três. Por sua vez, Josseceline Marqueza e Lara Sira quedaram na 5ª e 6ª posições ambas com um ponto.

No escalão de formação, Augusto Marqueza e Chineva Rufino, xadrezistas que venceram os seis jogos realizados, foram consagrados campeões nacionais.

Na segunda posição, em masculinos, ficou Kelvin Tamela que teve um saldo de cinco vitórias e um empate. A fechar os lugares de pódio, destaque-se Jefu Chirene e Dylan Microsse que partilham a 3ª posição ambos com três pontos. No que diz respeito aos seniores femininos, Chineva Rufino foi a segunda classificada, seguida de Natisha De Melo e Celeste Dzindua.

Os campeonatos infanto-juvenis já não se realizavam há 20 anos, sendo de destacar o papel do elenco liderado por Milton Botão que resgastou os mesmos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos