O País – A verdade como notícia

Painelistas defendem que é preciso aliar o futuro ao altruísmo

“Compromisso com o futuro” foi o último painel do primeiro dia do Mozefo Young Leaders. Foi um painel que pensou o presente e lançou diversas perspectivas para o futuro. O painel juntou jovens comprometidos com o futuro de Moçambique e África: Saran Kaba Jones, empreendedora social da Libéria, Tânia Tomé, CEO da Ecokaya, Mbate Pedro, escritor, e Leonardo Xerinda, gerente de planeamento de mina e de serviço VALE.

Tânia Tomé definiu o empreendedor não como sendo aquele que cria uma empresa, mas sim o que torna sua ideia uma realidade. “Empreender deve ser, em parte, uma actividade que visa transformar a comunidade. É importante transformar o país através de solidariedade e identificar empreendedores, investirmos neles e assim colocá-los além-fronteiras”.

Para Mbate Pedro, o compromisso com o futuro passa por uma educação suportada por aspectos culturais chave. “A literatura e os livros são chave para entrar numa cultura. O acesso à cultura sem educação é um vácuo”. Para o escritor, é importante preocupar-se com o bem-estar do próximo, porque “não é doença ser honesto”.

“A força de vontade é fundamental em tudo. É essa força que nos faz ter preocupação com o próximo; precisamos de nos preocupar com o próximo porque é ele que apoia em cada caminhada, sobretudo enquanto empreendedores”, esta posição foi defendida por Leonardo Xerinda.

Saran Kaba Jones, a keynote speaker do painel, contou que esteve fora de sua terra natal, Libéria, durante 20 anos. Pelo compromisso e amor que tem pelo seu país e pelo continente regressou depois da formação. A jovem empreendeu, no seu país, acções ligadas à água limpa e potável. “Todos temos uma responsabilidade moral de ver dentro de nós essa responsabilidade, transformar a nossa comunidade e tornar o mundo num lugar melhor”.

“A preocupação de África deve ser um compromisso social de todos jovens empreendedores. A África tem muitos desafios: desemprego, pobreza, desigualdades. Apesar de conflitos e desafios, o nosso continente é um local de muitas oportunidades”, disse a jovem como forma de desafiar a todos a pensar no futuro que se deve dar ao continente africano. Para a jovem da Libéria, a África deve investir na sua juventude através da educação e formação. Porque em voz da verdade “um sistema económico que não desenha políticas para a sua juventude está condenada ao fracasso”. A empreendedora finalizou a sua intervenção dizendo que “é uma vergonha não aproveitar as situações que o nosso continente oferece”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos