O País – A verdade como notícia


ÚLTIMAS

Destaques

Chefe de Estado dirige-se à Nação

NOTÍCIAS

Ninguém pára a Associação Black Bulls no Moçambola-2021. Sem precisar acelerar, “despachou” o aflito Textáfrica de Chimoio (4-0) e manteve o pleno de vitórias na prova.

Bravos, os “touros”, quem diria (?), cimentaram cada vez mais a liderança no campeonato agora com 25 pontos.

Ejaita, o “suspeito do costume”, voltou a fazer estragos, assinando um “bis” naquela que foi a nona vitória no campeonato. Ali, em Tchumene, respira-se bom futebol.

O sonho constrói-se num mosaico entre a relva natural e a sintética, implantadas nos dois campos que compõem um complexo que se espera de referência.

Focado no título, o Ferroviário de Maputo teve em Foken o marcador em serviço para desatar o nó diante do seu “satélite” Incomáti de Xinavani que até ofereceu alguma resistência no mítico Estádio da Machava.

O possante avançado ganês facturou aos 26 e 76 minutos, garantido, desta forma, a sexta vitória dos “locomotivas” na prova, mantendo-se na segunda posição agora com 21 pontos.

Continua, e recomenda-se, uma animada perseguição aos Black Bulls, por sinal, adversário com o qual empataram a uma bola na 4ª jornada.

O Incomáti de Xinavani, na era Danito Nhamposse, somente venceu uma vez no Moçambola (diante do Ferroviário de Nampula, por 1-0). Esta, contas feitas, foi a quarta derrota dos açucareiros no campeonato nacional que encontram no 9º lugar com 11 pontos.

Num terreno tradicionalmente difícil, e onde foi consagrado campeão na época 2019, o Costa do Sol arrancou uma vitória por 3-1 diante do Ferroviário de Nacala e pulou para a 6ª posição com 13 pontos.

Telinho bisou e Jonas fez o outro tento dos “canarinhos” que colocam Antero Cambaco na berlinda.

No duelo mais importante da 9ª jornada do Moçambola-2021, União Desportiva do Songo e Ferroviário da Beira empataram sem abertura de contagem.

Com este resultado, os “locomotivas” do Chiveve continuam na 3ª posição agora com 19 pontos, enquanto os “hidroeléctricos” estão no 7º lugar com 13 pontos.

Em Hanhane, na Matola, a Associação Desportiva de Vilankulo (ADV) arrancou um empate a duas bolas com a Liga Desportiva de Maputo, resultado que coloca os visitantes na mesma posição com que entraram para esta ronda: 4ª com 15 pontos.

De mal a pior vai o centenário Desportivo Maputo. Os “alvi-negros” caíram, este domingo, aos pés do Ferroviário de Lichinga com quem perderam no campo do “Afrin” por 2-0.

Djey, aos 47 minutos, e Drogba, no minuto 70, afundaram a águia tiraram cada vez mais o sossego da águia que cai para a “linha de água” com sete pontos.

Tranquilos, e dentro do projectado para uma manutenção sem sobressaltos, os “locomotivas” de Lichinga mantêm-se na 5ª posição com 17 pontos.

Chegou, viu e venceu. Nelson Santos assumiu, quinta-feira, o comando técnico do Ferroviário de Nampula e, na estreia, venceu o Matchedje de Mocuba por um a zero. Salas, aos 66 minutos, foi o responsável pelo regresso às vitórias dos “axinenes” sete jornadas depois. Com a vitória, o Ferroviário de Nampula sai da zona de despromoção em troca com o Desportivo Maputo.

Costa do Sol VS Black Bulls 

Teste de fogo para a Associação Black Bulls (ABB) na 10.ª jornada do Moçambola-2021. Os “touros” deslocam-se ao terreno do Costa do Sol, campeão em título, num jogo em que os “canarinhos” querem claramente mandar em casa e travar, desde já, a euforia que habita em “Tchumene”.

No fervoroso Caldeirão do Chiveve, o candidato ao título Ferroviário da Beira recebe o centenário Desportivo Maputo, conjunto que está a fazer uma campanha pobre no Moçambola-2021.

O Estádio 25 de Junho será palco de um duelo interessantíssimo de seguir entre “locomotivas” com andamentos diferentes.

De um lado, teremos um Ferroviário de Nampula sufocado e pressionado a vencer para chegar a zonas confortáveis, e, do outro, conjunto de Maputo que está na linha da frente e animada perseguição a ABB.

Em Lichinga, o Ferroviário local, a fazer uma campanha tranquila, faz “sala” ao seu homónimo de Nacala, conjunto algo irregular na prova-mãe do futebol moçambicano.

A meio da tabela, a Associação Desportiva de Vilankulo faz “sala” ao Matchedeje de Mocuba, lanterna vermelha do campeonato.

Aflito, o Textáfrica de Chimoio pisca o olho a segunda vitória no Moçambola na recepção a Liga Desportiva de Maputo. Uma vitória pode ser um balão de oxigénio para uma formação que atravessa uma crise de resultados e financeira.

O Incomáti de Xinavani tem um jogo difícil em casa com a União Desportiva do Songo, candidata ao título que procura partir para exibições mais seguras.

Ejaita: “el matador”

Com o “bis” assinalado sábado na goleada imposta ao Textáfrica de Chimoio (4-0), Ejaita Ifoni reforçou o estatuto de melhor marcador do campeonato nacional de futebol agora com nove golos, média de 1.29 golos/jogo.

O avançado nigeriano, de 21 anos, facturou no primeiro minuto, na transformação de uma grande penalidade, e à passagem dos 67 minutos ao colocar o resultado em 3-0.

Ejaita começou a fazer o gosto ao pé na jornada inaugural do Moçambola-2021, precisamente a 17 de Janeiro quando os “touros” foram ao Estádio 25 de Junho vencer o Ferroviário de Nampula por 2-1. O “stricker” marcou, aos 23 minutos, o primeiro golo dos visitantes.

Na segunda jornada, voltou a estar em grande plano ao bisar na vitória caseira da Associação Black Bulls diante da Associação Desportiva de Vilankulo, por 2-0. Esteve em branco, na 3ª jornada, mas voltou a fazer balançar as redes na ronda seguinte. Na jornada 4 do campeonato nacional de futebol, Ejaita deu vantagem, aos 19 minutos, a ABB mas Jeitoso viria a desfazer a mesma com um golpe de cabeça no minuto 23.

“Onfire”, Ejaita fez um “hatrick” no duelo da 5ª jornada em que a Associação Black Bulls “despachou” a União Desportiva do Songo com vitória categórica por 4-1. Ejaita mostrou, uma vez mais, engodo a baliza contrária.

Os golos foram marcados aos 3, 40 e 51 minutos do jogo. Endiabrado, na 8ª jornada, Ejaita contribuiu com um golo na vitória dos “touros” frente a Liga Desportiva por 2-1. O nigeriano “engordou a sua conta pessoal, nesta partida, aos 70 minutos.

 

Vídeos

NOTÍCIAS

A União Europeia já desembolsou mais de 15 milhões de euros para apoiar cerca de 150 mil deslocados, vítimas dos ataques terroristas em Cabo Delgado. O embaixador da União Europeia em Moçambique diz que nota com satisfação o nível de engajamento do Governo moçambicano em pôr fim à situação do terrorismo que já provocou milhares de deslocados.

António Sánchez-Benedito Gaspar garante que a União Europeia tem estado a acatar os apelos das Nações Unidas no sentido de se canalizar apoio permanente às vítimas do terrorismo em Cabo Delgado.

“Como sabem, o apoio às famílias é prioridade fundamental para que tenham dignidade necessária. Temos estado a acompanhar os esforços do Governo moçambicano no apoio às famílias e nós, como União Europeia, temos estado a responder, favoravelmente, ao apoio. No último ano, canalizámos 15 milhões de euros para apoio às famílias”.

Sánchez diz estar confiante que o Executivo moçambicano vai encontrar solução para devolver a paz aos moçambicanos naquela província.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) diz estar “seriamente preocupado” com a segurança dos civis no norte de Moçambique, onde o “conflito armado e a insegurança” em Palma “continuam a deslocar milhares de pessoas”, revelou hoje a organização.

A agência das Nações Unidas referiu que, dois meses e meio após o ataque por grupos armados em Palma, “as pessoas fogem diariamente numa busca desesperada de segurança, tanto em Moçambique como para lá da fronteira com a Tanzânia”.

Cerca de 70.000 pessoas fugiram de Palma desde 24 de Março, elevando o número total de deslocados na província de Cabo Delgado para quase 800.000, de acordo com estimativas de organizações humanitárias e das Nações Unidas.

A constante insegurança tem forçado milhares de famílias a procurar refúgio no sul das províncias de Cabo Delgado e Nampula. “Os distritos de Nangade, Mueda, Montepuez, Ancuabe, Metuge, Balama, Namuno, Chiure, Mecufi, Ibo e Pemba continuam a registar novas chegadas de refugiados todos os dias”, sublinha o ACNUR.

Segundo o ACNUR, os deslocados, repatriados à força pelas autoridades tanzanianas, “acabam numa situação terrível na fronteira e estão expostos à violência de género e a riscos para a saúde, uma vez que muitos dormem ao ar livre, à noite, sob frio extremo, sem cobertores ou abrigos” e, por isso, “há uma necessidade urgente de artigos de ajuda de emergência, incluindo alimentos”, sublinha a organização.

De acordo com o Notícias ao Minuto, o ACNUR reitera o apelo para que “aqueles que fogem do conflito tenham acesso ao território tanzaniano e asilo, e, em particular, para que o princípio de não repulsão seja respeitado. Os refugiados não devem ser forçados a regressar em perigo”, conclui a agência das Nações Unidas para os refugiados.

Grupos armados aterrorizam a província nortenha de Cabo Delgado desde 2017, com alguns ataques reclamados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes segundo o projecto de registo de conflitos ACLED e 714.000 deslocados de acordo com o Governo.

O ataque contra a vila de Palma, a 24 de Março, provocou dezenas de mortos e feridos, sem balanço oficial anunciado.

Trata-se de uma Iniciativa financiada pela União Europeia, na ordem de 13 milhões de euros e vai até 2024. A iniciativa marca uma nova era para o início da promoção da biodiversidade nas zonas de conservação das províncias de Nampula e Zambézia.

O Governo moçambicano assinou uma convenção com a União Europeia na ordem de 13 milhões de euros em 2019, para financiar o referido programa de promoção da biodiversidade, lançado pela ministra da Terra e Ambiente, Ivete Maibaze, sob o lema “Todos somos Biodiversidade”.

Na ocasião, fez saber que o programa é integrado, com enfoque sobre a biodiversidade, pois visa impulsionar a agricultura de conservação, o turismo baseado na natureza, nas zonas tampão da Zambézia e Nampula, abrangidas neste projecto.

“O programa integrado de desenvolvimento rural visa a redução da pobreza e promoção de crescimento sustentável, combate à vulnerabilidade das comunidades, da área abrangida pela iniciativa, como consequência das alterações do ambiente natural e do clima” disse a governante.

O embaixador da União Europeia em Moçambique defendeu, na ocasião, que é possível erradicar a caça furtiva e a devastação ambiental, de modo a assegurar a promoção da biodiversidade, enquanto base de sobrevivência da humanidade.

António Sánchez-Benedito Gaspar fez saber, durante o lançamento do programa, que a destruição da natureza está a avançar a níveis devastadores e recordou  que 60% dos animais selvagens reduziram a nível global, afectando a biodiversidade.

Já Milagre Nuvunga, PCA da Biofund, precisou que a organização já desembolsou mais de oito milhões de dólares para áreas de conservação no país.  Um acordo de subvenção, de 10.2 milhões de euros para o reforço da promoção da biodiversidade, foi assinado no ano passado.

Os governantes da Zambézia nomeadamente o governador Pio Matos e a secretária de Estado, Judite Mussácula, são unânimes em afirmar que o programa promove a biodiversidade e deve dar vantagens às comunidades locais.

Arranca na segunda-feira a 2ª fase da Campanha Nacional de Vacinação contra a COVID-19 no país. Membros do Corpo Diplomático, Educadores infantis, Professores do Ensino Técnico-Profissional e do Ensino Superior, serão pela primeira vez inclusos no processo, dada a natureza do seu trabalho.

Durante duas semanas, o Ministério da Saúde pretende imunizar cerca de 23 mil pessoas, dentre os novos grupos admitidos e os que foram vacinados desde que a campanha iniciou, a 8 de Março último.

A directora nacional adjunta de Saúde Pública, Benigna Matsinhe, disse, em conferência de imprensa, que “nesta segunda fase será administrada a segunda dose àqueles que já tomaram a primeira e a primeira dose aos novos grupos”.

O espaçamento entre a administração da vacina será de 21 dias, o que significa que três semanas depois, os novos grupos prioritários irão tomar a segunda dose e “só depois desta dose é que se poderá considerar imunizados contra a COVID-19.

Benigna Matsinhe deu a conhecer que a vacina, a ser administrada a partir da segunda-feira, é da marca SINOVAC, fruto de uma doação do Ministério da Defesa de Moçambique, que também recebeu da sua congénere da China.

“A vacina que vamos administrar é produzida pela farmacêutica Chinesa SINOVAC Biotech e a sua eficácia é largamente conhecida a nível mundial”, explicou.

Sobre a disponibilidade da vacina, a directora nacional adjunta de Saúde Pública, afirmou haver disponibilidade suficiente para terminar a campanha, graças ao apoio que o país tem recebido.

“O país recebeu um total de 744 mil doses, sendo que 284 mil foram no âmbito do mecanismo da COVAX, 100 mil através da oferta da República da Índia e 260 mil da República Popular da China” esclareceu.

Até ao momento, o MISAU já imunizou cerca de 350 mil pessoas e, na esperança de receber mais vacinas, pretende vacinar, até o fim do processo, um total de 16 milhões de pessoas.

A Primeira-dama da República, Isaura Nyusi, procede, no Centro Internacional de Conferências Joaquim Chissano, ao Lançamento do Ano Internacional para a Eliminação das Piores Formas do Trabalho Infantil.

De acordo com uma nota da Presidência, “o acto decorre em resposta à recomendação da União Africana (UA), na ocasião do lançamento do mesmo evento à escala continental, a 31 de Março do ano em curso, que instou a todos os países membros a fazer a réplica do evento”.

Além da esposa do Presidente da República, também, estará presente a ministra do Trabalho e Segurança Social, Margarida Adamugy Talapa, do Género, Criança e Acção Social, Nyeleti Brooke Mondlane, quadros e parceiros do Gabinete da Esposa do Presidente da República.

Uma menina de 17 anos de idade está gravemente ferida e encontra-se hospitalizada após sofrer golpes de catana, no distrito de Mossurize, em Manica. O agressor, neste momento a contas com a Polícia, tem 40 anos de idade e vivia com a vítima em situação de união prematura.

Segundo a Secretaria de Estado da Juventude e Emprego, o facto aconteceu no dia 08 de Junho corrente.

A vítima, há 24 semanas grávida, chama-se Paquone Francisco. Devido à gravidade do seu estado de saúde, foi transferida de Mossurize para os cuidados intensivos do Hospitalar Provincial de Chimoio.

A Secretaria de Estado da Juventude e Emprego explicou que Paquone Francisco recebeu apoio do Governo para voltar a estudar, tendo-lhe sido atribuída uniforme e material escolar.

Quando o parceiro tomou conhecimento de que a menina recebeu o referido apoio, alegou que se tratava de um amante a custear as despesas, o que gerou violência.

Enfurecido, o homem desferiu duros golpes contra a miúda, causando-lhe cortes profundos na cabeça e na face, com recurso à catana.

Através do programa o “EU SOU CAPAZ”, o Governo está a distribuir uniforme escolar às raparigas com o objectivo empoderá-las e retê-las na escola.

Por sua vez, a Polícia da República de Moçambique disse que o acusado encontra-se detido.

Pelo menos 19 pessoas morreram e 50 ficaram feridas, no sudoeste do Paquistão, em consequência de um acidente de viação de um autocarro em alta velocidade.

Segundo a polícia local, citada pela Lusa, o autocarro em causa transportava peregrinos.

O acidente aconteceu em Khuzdar, um distrito na província do Baluchistão, disse o oficial da polícia local, Hafeez Ullah Mengal.

Os socorristas transportaram os mortos e feridos para um hospital próximo, acrescentou.

Os peregrinos regressavam a Dadu, um distrito na vizinha província de Sindh, depois de visitarem um santuário de um santo sufista, o motorista perdeu o controlo numa curva apertada e o autocarro capotou, disse.

O Serviço Nacional de Investigação Criminal de Moçambique (SERNIC) incinerou, hoje, na cidade da Beira, pouco mais de uma tonelada e meia de canábis, droga apreendida há uma semana no distrito do Dondo.

Segundo Alfeu Sitoe, porta-voz do SERNIC em Sofala, durante a operação para a apreensão da droga, não houve detidos, mas investigações estão em curso para que sejam neutralizados os donos da mercadoria.

A droga foi apreendida no dia 03 de Junho em Dondo, num camião que pertence a uma transportadora moçambicana, um veículo que alegadamente saía do Malawi e tinha como destino o Zimbabwe, com passagem por Moçambique.

A droga foi destruída no incinerador de resíduos do Hospital Central da Beira (HCB).

António Semente, Director do Gabinete do Combate à Droga em Sofala, considerou esta quantidade de droga incinerada a maior já apreendida nos últimos 11 anos na província.

“Esta é a primeira vez em que se incinera esta quantidade de droga na província, desde 2011, ano em que entrei neste gabinete”, afirmou António Semente.

Moçambique é apontado por várias organizações internacionais como um corredor para o tráfico internacional de estupefacientes.

De acordo com o Gabinete das Nações Unidas contra a Droga e o Crime (UNODC), as autoridades do Quénia e da Tanzânia, países a norte de Moçambique, aumentaram a vigilância nos últimos anos, empurrando os traficantes para sul, em direcção à costa moçambicana, “em busca de novas rotas e novos mercados”.

Terrorismo em Cabo Delgado, situação dos deslocados, desastres naturais e papel dos partidos no desenvolvimento político, económico e social do país estiveram no topo da agenda da visita do Embaixador da Rússia à Frelimo, que teve lugar hoje, em Maputo.

No encontro, que foi a porta fechada, o Secretário-geral da Frelimo saudou o apoio que o Governo do povo russo tem prestado a Moçambique, desde a preparação da luta Armada em 1964.

“A cooperação entre a Rússia e Moçambique tem muitos anos e, cada vez mais, tenta fortificar-se. Para além do apoio militar, a Rússia vem apoiando o país na questão dos desastres naturais (ciclones Idai e Keneth) e mais recentemente vem dando apoio na luta contra a pandemia da COVID-19”, declarou Roque Silva à imprensa, horas depois do encontro.

Roque Silva afirmou, ainda, que foram discutidas, no encontro, estratégias de intervenção dos partidos políticos na vida social e económica do país, como forma de dar o seu contributo no desenvolvimento de Moçambique.

Por sua vez, Alexandre Surikov, Embaixador da Rússia mostrou-se bastante satisfeito com o encontro e disse que “este vai fortificar ainda mais as relações de cooperação entre os dois países”.

Questionado sobre o apoio que a Rússia vai prestar no combate ao terrorismo, Alexandre Surikov chamou atenção à imprensa e aos governos sobre a necessidade de manter as estratégias e mais detalhes militares em segredo, para não comprometer o processo.

“Não posso dar mais detalhes sobre o apoio que a Rússia vai prestar a Moçambique, mas importa referir que o meu país sempre apoiou Moçambique, tanto no âmbito militar, assim como noutras áreas sociais e estamos disponíveis para apoiar nas condições que o Governo de Moçambique exigir”, explicou.

Com a cooperação entre Moçambique e Rússia, abre-se espaço para cada vez mais apoios na exploração das possibilidades de se estabelecer no país a prestação de serviços de Saúde, exploração de recursos naturais, tais como hidrocarbonetos e outros.

+ LIDAS

Siga nos

Galeria
Visualizações: 159.050