O País – A verdade como notícia

Ossufo Momade apela ao PR a nomeação definitiva de 14 oficiais

A Renamo apela ao Presidente da República que mande corrigir as nomeações interinas dos oficiais do partido para cargos de direcção nas Forças Armadas. Ossufo Momade considera que o memorando assinado prevê a indicação efectiva de 14 oficiais.
 
Passa hoje uma semana após a Renamo através do seu porta-voz José Manteigas ter manifestado a sua indignação com as nomeações interinas de três oficiais do partido para cargos de direção no exército.

O anúncio das nomeações foi feita pelo Ministério da Defesa Nacional através de um comunicado de imprensa, dando conta das nomeações, interinamente, do comodoro Inácio Luís Vaz e dos brigadeiros Xavier António e Araújo Andeiro Maciacona para exercerem as funções de diretor do Departamento de Informações Militares, diretor do Departamento de Operações, e diretor do Departamento de Comunicações, respetivamente.

Após a manifestação da Perdiz, o ministro da Defesa Nacional reagiu dizendo que a nomeação interina dos homens da Renamo para cargos de chefia não significa que os mesmos não sejam oficiais. Atanásio Ntumuke defendeu que a Renamo deve parar de reclamar e passar a colaborar no processo de desmilitarização e integração de seus homens.

Mesmo depois da explicação do ministro da Defesa Nacional, a Renamo volta a exigir a nomeação efectiva dos seus oficiais superiores e generais para cargos de chefia nas Forças Armadas de Defesa. Segundo o coordenador interino da Renamo, Ossufo Momade, as nomeações interinas violam o acordo assinado com o Presidente da República.
 
“Queremos mais uma vez manifestar a nossa indignação e preocupação relativamente à lentidão na implementação deste Memorando de Entendimento. Preocupa-nos ainda a sua violação, pois este documento assinado por mim e pelo Presidente da República não prevê nomeações interinas. A RENAMO submeteu ao Governo nomes de 14 oficiais generais que foram patenteados pelo Presidente da República no dia 16 de Agosto do corrente ano, na sua qualidade de Comandante-chefe das Forças de Defesa e Segurança. Por isso o país aguarda pelo seu enquadramento nos sectores previamente acordados.Preocupa aos moçambicanos o facto do Ministro da Defesa Nacional pretender ignorar e desrespeitar este Memorando de Entendimento, o que dá a entender a existência de dois comandos no seio das Forças de Defesa e Segurança.
Assim, solicitamos ao Presidente da República, na sua qualidade de subscritor do Memorando de Entendimento do dia 06 de Agosto passado para corrigir as nomeações interinas e proceder segundo este documento. À bem da Nação solicitamos também celeridade nos passos subsequentes”. Disse OSSUFO MOMADE – Coordenador interino da Renamo

Reagindo ao acórdão do Conselho Constitucional que chumba o recurso da Renamo sobre a anulação dos resultados eleitorais de Marromeu, Ossufo Momade reiterou que as decisões deste órgão põem em causa os princípios da democracia.

“Como temos estado a dizer, estas eleições autárquicas foram uma  autêntica farsa apadrinhada pela Polícia da República de Moçambique, Comissão Nacional de Eleições, pelo Secretariado Técnico de Administração Eleitoral e Conselho Constitucional. Estas instituições foram instrumentalizadas para tudo fazer de modo a falsificar os resultados eleitorais e retirar a vitória da RENAMO. O comportamento destas instituições põe em causa de forma grosseira a democracia, a Paz, a estabilidade social e agudizar os conflitos internos no nosso país.

Deste modo, olhando pelo interesse Nacional, o bem maior que todos nós almejamos reiteramos o nosso apelo ao Presidente da República, a Sociedade Civil Moçambicana, as Confissões Religiosas e a Comunidade Internacional, incluindo as Nações Unidas para em conjunto repor a verdade eleitoral do dia 10 de Outubro de 2018”. Referiu Momade.
A teleconferência desta terça-feira tinha como objectivo falar do encontro havido na Serra de Gorongosa com o Grupo de Contacto representado pelo seu Presidente, Sua Excia. Embaixador da Suíça, Mirko Manzoni, pelo Co-Presidente, Sua Excia. Embaixador dos Estados Unidos da América, Dean Pitman, Sua Excia. Embaixador da União Europeia, António Sanchez e Sua Excia. Alto-Comissário da República do Botswana Gobe Pitso.
 
Segundo Ossufo Momade, o encontro serviu para informar ao Grupo de Contacto os problemas registados durante as eleições autárquicas do dia 10 de Outubro de 2018 e na repetição da votação no Conselho Autárquico de Marromeu, ordenada pelo Conselho Constitucional.

Por outro lado a Renamo assegurou aos parceiros internacionais o seu compromisso de prosseguir com as negociações e respeitar o memorando de entendimento subscrito pelas partes.

“Porque somos amantes da Paz e queremos a Paz, o encontro com o Grupo de Contacto serviu também para passar em revista o Processo das Negociações com o Governo. Asseguramos a estes parceiros o compromisso do Partido RENAMO de prosseguir com as negociações e sobretudo comprometemo-nos a respeitar o Memorando de Entendimento subscrito por nós e pelo Presidente da República, no dia 06 de Agosto de 2018, pelo que também exigimos o seu cumprimento pela contraparte”.
 
Na ocasião a Renamo falou também da carestia de vida onde considera que está agravada pelas dívidas inconstitucionais e ilegais e continua a sufocar as famílias moçambicanas. A partidarização do Estado e a corrupção nas instituições públicas continuam, é um outro ponto que mereceu a atenção da Perdiz tendo afirmado que “Preocupa a nós e aos moçambicanos em geral como o Governo e as instituições de Administração da Justiça têm feito vista grossa a estes males que dilaceram a vida dos moçambicanos. Relativamente às dívidas inconstitucionais e ilegais a posição da RENAMO foi sempre clara, exigimos que os seus mentores sejam elevados à barra do tribunal e responsabilizados . Quanto à corrupção e partidarização do Estado só um Governo sério e defensor da coisa pública que será formado pela RENAMO pode eliminar no nosso país, pois enquanto  a Frelimo continuar a gerir Moçambique teremos uma Administração Pública sempre corrupta e frelimizada. O corrupto nunca vai combater outro corrupto e muito menos a si mesmo”.

Momade finalizou o seu discurso afirmando que a corrupção combate-se com actos visíveis praticados por servidores do povo engajados no respeito pelo bem comum.
 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos