O País – A verdade como notícia

Os números da “desgraça colectiva”

Cinco derrotas e uma vitória nas duas janelas de qualificação para o “Afrobasket”-2021 traçaram um destino previsível, sobretudo, depois da pálida imagem deixada ficar em Novembro do ano passado, em Kigali, no Ruanda.

As três derrotas sofridas com o Angola, Senegal e Quénia, na era Milagre “Mila” Macome ditaram, e não hajam dúvidas, ditaram desde logo o descalabro da selecção nacional de basquetebol que somente em 2025, se tiver competência na quadra, poderá voltar a jogar o “Afrobasket”.

Condicionada fisicamente, face à falta de competições internas e ritmo competitivo dos jogadores, pouco ou nada havia a fazer para se manter na elite da modalidade da bola ao cesto no continente.

Mas há mais que se diga: na primeira janela, houve claramente uma distracção de quem dirige a modalidade para que os trabalhos de preparação iniciassem mais cedo. Alias, no capítulo da organização, deixamos muito a desejar até porque há claramente indicativos de falta de motivação de alguns atletas devido as condições que lhes são oferecidas, sobretudo, nas suas deslocações ao estrangeiro.

Os dados estatísticos são o fiel revelador da necessidade de se melhora a abordagem ofensiva defensiva da equipa.

Sem lançadores natos, e num cenário em que o jogo exterior é cada vez mais decisivo em todas equipas, Moçambique teve um registo muito fraco nas duas janelas de qualificação. Senão vejamos: 30 tiros exteriores concretizados em 130 tentados, uns fraquinhos média de 23.1% em seis jogos.

Nos lançamentos de campo, estivemos igualmente longe do desejável com 124 tiros certeiros em 406 tentados, perfazendo média de 30.5% de aproveitamento. Muito pouco para quem ambiciona muito mais.

Na linha de lances livres, aí, estivemos muito bem: 77 lançamentos certeiros em 112 tentados, colocando os números em 68.8% de aproveitamento. Muito bom.
Nas tabelas, perdemos a luta com Angola, Senegal e Quénia que se apresentaram com equipas mais robustas fisicamente. Foram, no global, 263 ressalto dos quais 175 defensivos e 85 ofensivos.

Fraca nos aspectos ofensivos, a selecção nacional cometeu muitos turnovers nesta fase de apuramento com um total de 120.
As estatísticas indicam ainda 48 roubos de bola e 263 assistências.

 

Kendal só para contrariar…

Foi, sem dúvidas, e era de esperar, a melhor unidade de Moçambique nestas janelas de qualificação para o “Afrobasket”.

No cômputo de seis jogos, Kendal “Kedinho” Manuel foi o melhor cestinha e mais utilizado da selecção nacional de basquetebol sénior masculino. Em 185 minutos na quadra, liderou as estatísticas com 75 pontos, média de 12.1 pontos/jogo.

O valoroso número 2 teve “targets” interessantes nestas duas janelas de qualificação com 26 lançamentos concretizados em 72 tentados, alcançando, desta forma, 36.1% de aproveitamento.

Numa prova em que Moçambique praticamente não existiu nos tiros exteriores, até porque, objectivamente, não tinha lançadores natos, Kendal Manuel apresentou-se com 12 em 37 tiros, uma média de 32.4%.

Na linha de lances, sinal altamente positivo: 11 lançamentos concretizados em igual número de tentativas. Dezassete ressaltos (2.4 por jogo), 21 perdas de bola, 19 assistências e cinco roubos de bola são outros dados estatísticos do atleta que deu os primeiros passos na NCAA no Oregon State University.

O contacto de Kendal Manuel com o basquetebol africano, no geral, e a selecção nacional, em particular, foi na segunda janela das eliminatórias para o Mundial de Basquetebol da China, realizada em Dakar, Senegal, em 2019. O valoroso apresentou “targets” que atestam a sua competência na quadra: três jogos, 65 pontos, o que perfaz uma média de 21.7 pontos/jogo, mesma marca alcançada por Jordan Nwora da Nigéria.

O filho de “Potolas” estreou-se na arena de Dakar, envergando a camisola 2, com 14 pontos, mas não evitou a derrota diante da Costa do Marfim, por 62-45. Dia seguinte, mais uma exibição de gala: 19 pontos em 39: 03 minutos na quadra diante da RCA, terminando o jogo com 17 lançamentos de campo (35.3 porcento), 4 em 4 lançamentos livres (100 porcento) e 3 em cinco lançamentos de dois pontos (60 %).

Finalmente, frente ao gigante Senegal, Kedinho contabizliou 32 pontos em 37:12 minutos em campo, concretizando nove em 20 lançamentos de campo (45%), nove em nove lançamentos livres (100 %) e cinco em nove tiros exteriores (55.6 %).

David Canivete foi o segundo melhor cestinha de Moçambique com 11.3 pontos por jogo (total de 58 na prova) e 6.4 ressaltos (36 dos quais 26 ofensivos e dez defensivos), sendo que Geremias Manjate e Edson Manjate apresentam médias de 5.4 e 5.0 ressaltos.

Mesmo tendo falhado a terceira janela, Pio “Lingras” Matos liderou em termos de assistências com 4.0 por jogo, seguido de Kendal Manuel com 3.2.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos