O País – A verdade como notícia

“Os dois rapazes” contra as covas da “Julius Nyerere suburbana”

Com as chuvas, as covas da Avenida Julius Nyerere, no lado suburbano, na cidade de Maputo, ficaram mais perigosas porque os automobilistas têm menor visibilidade. Ainda assim, dois rapazes, com recurso a uma pá e carrinha de mão, vulgo “txova”, tapam os buracos com areia e entulho a troco de algumas moedas.

Bem perto dos Ministérios da Defesa Nacional e da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, no bairro Central, começa uma das maiores e mais prestigiadas avenidas de Moçambique, a Julius Nyerere.

Do ponto de partida, bairro Central, viajar nesta via faz esquecer as deficiências das outras avenidas de Maputo e da própria Julius Nyerere. Parar ou reduzir a velocidade até aqui é só quando o sinal luminoso assim mandar. Caso não, a viagem segue tranquilamente.

Mas, desengane-se quem pensa que a tranquilidade vai até ao fim da Julius Nyerere, porque essa não é a realidade no terreno. Na verdade, a parte urbana vai até a ponte da Xiquelene, que fica a alguns metros da Praça dos Combatentes.

Bem de baixo da ponte, no sentido cidade de Maputo-Magoanine – ou seja, do centro da urbe para a periferia, onde são mais visíveis as mazelas da metrópole – encontra-se a primeira cratera que, devido às chuvas, está cheia de água. Esta é só a primeira de muitas que caracterizam a viagem pela Julius Nyere suburbana.

Nesta via, saber conduzir não basta, é preciso desenvolver habilidades para esquivar as covas que, com as chuvas que caem nos últimos dias na capital moçambicana, vão ficando ainda maiores.

Por estes dias, Shelton e António, dois jovens de 25 e 27 anos de idade, respectivamente, juntam o útil, que é minimizar os problemas das covas na Julius Nyerere, ao necessário, que é ter algum dinheiro no bolso. Este tornou-se o seu novo negócio, depois ter abandonado o da venda de hortícolas.

Eles juntam entulho, tapam as covas e correm para pedir algumas moedas aos automobilistas. Ao mesmo tempo, a chuva faz um trabalho no sentido inverso. As águas evacuam as crateras e volta tudo à estaca zero.

Os automobilistas, esses dão o que podem aos dois “heróis da Julius Nyerere” e fazem-no por achar oportuna a sua intervenção. “Eles estão a ajudar-nos. Então o que estamos a pagar é um estímulo”, disse um condutor depois de dar uma moeda de cinco meticais ao jovem Shelton, que trabalha sem camisa.

O estímulo até serve, mas não para todos os cantos da Julius Nyerere. Aliás, há pontos em que uma das faixas de rodagem precisa de ser bloqueada para permitir que os outros carros passem.

Há mais, as chuvas trazem novos desafios a quem já estava acostumado a lidar com as covas no dia-a-dia. “A estrada em si já era um problema. Agora, com as águas, fica mais difícil, porque temos de ver onde há ou não buraco”, relatou outro automobilista enquanto esperava a sua vez para passar adiante num dos pontos.

A Avenida Julius Nyerere termina na Praça da Juventude, que por estes dias ficou totalmente alagada e com a estrada que a rodeia em condições condicentes às da avenida toda. A degradação está presente e é indisfarçável.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos