O País – A verdade como notícia

Os autocarros da “Matchedje”

Esta semana, o jornal “Notícias” publicou uma reportagem dando conta de que a fábrica de montagem de veículos automóveis “Matchedje”, sediada na Matola, está sem mercado e em vias de fechar, pois os consumidores preferem importar viaturas a comprar aquela marca nacional.

A fábrica “Matchedje” foi inaugurada há apenas três anos pelo então Presidente Guebuza e, como foi dito na altura, ela é resultado da implementação da política nacional de industrialização ,que prevê a criação de um modelo de desenvolvimento industrial eminentemente moçambicano.

Entre outros, esta fábrica tinha o objectivo de reduzir a importação de viaturas ao país e alegrar a nossa auto-estima como moçambicanos.

Para alicerçar aquilo que parecia um cometimento genuíno do governo com o que apregoava, um ano após a sua inauguração, a fábrica recebeu o selo “Made in Mozambique”, do Ministério da Indústria e Comércio, para deixar inequívoco que esta é uma marca moçambicana e reforçar o lema “Produza, consuma e exporte moçambicano”.

Três anos volvidos, não se vislumbra que esteja em curso nem um modelo de desenvolvimento industrial endógeno ao qual a fábrica esteja ligada nem reduzimos a importação de viaturas por passar a comprar as fabricadas localmente e muito menos, pelo que se vê, há na actual situação da “Matchedje” motivos de nos enchermos de auto-estima. Antes pelo contrário.

Poderíamos dizer que os gestores da “Matchedje” não calcularam devidamente o risco que representa o nosso mercado e contaram com um conjunto irrealista de premissas, que não se concretizou. Mas um Estado que queira induzir o consumo do produto nacional, tem ele próprio que assumir a iniciativa. Afinal, o nosso Estado ainda é o principal agente na nossa economia.

Ora, neste caso, vemos as mesmas pessoas que clamam por investimento para o País a desvalorizarem-no, quando este chega, porque é mais importante assegurar os seus interesses que os do Estado.

Por isso que, estranhamente, nada mudou na política de aquisições do Estado, no tocante a viaturas, apesar de termos ido mobilizar um investidor para “torrar” 150 milhões de dólares numa fábrica que sabíamos que não lhe ligaríamos nenhuma.

A apetência de quem toma decisões no procurement do Estado continuam a ser os mercedes e outras marcas estrangeiras, porque os slogans de auto-estima, made in Mozambique, são apenas para debitar em discursos oficiais.

Outrossim, a fábrica Matchedje foi anunciada, na inauguração feita pelo Presidente Guebuza, há três anos, como fabricante de autocarros de transporte de passageiros a preços mais competitivos, em meticais, e com toda a assistência técnica, mas precisamente esta semana, a vice-ministra dos Transportes e Comunicações anunciou a importação de cerca de 300 autocarros, o primeiro lote dos quais é esperado este mês de Novembro.

Estranho, não é, quando se tem uma fábrica, no nosso próprio país, que o próprio Governo nos disse que fabricava autocarros.

Daqui a mais ou menos um ano, estaremos aqui a discutir, como se viu na recente visita do Presidente da República aos TPM, que muitos destes 300 autocarros estão parados por falta de acessórios no mercado. Aliás, nos últimos três anos, o Governo, sem exagero, importou cerca de 400/500 autocarros para as principais cidades do país. Parte significativa deles está parada e não deve ter circulado mais do que dois anos.

Dá para entender?

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos