O País – A verdade como notícia

Orca encalhada no estuário da Barra em Inhambane

Tudo começou no passado dia 7 de Setembro, quando, por volta das 6 horas, foi vista na praia da Barra uma orca subadulta que media 5,5 metros, encontrada na maré alta da maré viva completamente exposta e a aproximadamente 50-75 m da linha da maré.

Segundo um comunicado enviado pela organização Mega Fauna, inicialmente, uma equipa de quatro pessoas tentou empurrar o animal de volta para a água, mas não tinha certeza de como fazer isso e precisava de apoio adicional.

Algumas horas depois, aproximadamente às 9h20, uma equipa de apoio começou a mobilizar e movimentar o animal. Enquanto isso, entre às 7h e 9h, agentes da Polícia do posto local chegaram para controlar a situação e houve alguma sobre o protocolo de resposta e a urgência da situação para tentar colocar o animal de volta à água o mais rápido possível.

Por volta das 9h20, apesar das incertezas com a autoridade oficial e protocolo, a comunidade da Barra rapidamente montou uma equipa de resposta com tractor e roletes, para mobilizar o animal e devolvê-lo à água, mas já estava fora da água por três ou quatro horas.

Essa resposta facilitou o retorno do animal à água rasa. Foi então auxiliado a mover ao largo da costa (sudoeste do local de encalhe inicial), onde encalhou em um banco de areia mais raso e permaneceu meio submerso, meio exposto ao sol.

Por volta das 10:00 horas, biólogos marinhos avaliaram a situação e, em colaboração com oficiais de pesca, decidiram que a melhor decisão era permitir ao animal algum tempo de descanso em águas rasas, enquanto a maré ainda estava baixa e o acesso a canais mais profundos e em mar aberto era restrito.

Os biólogos verificaram o animal em busca de ferimentos externos importantes para avaliar a condição corporal, dos quais apenas cortes e arranhões superficiais foram detectados. A superfície dorsal do animal foi coberta e molhada para evitar queimaduras solares e o animal permaneceu nesta posição nas águas rasas, descansando por aproximadamente duas a três horas.

Quando a maré começou a subir, as correntes e o nível da água começaram a aumentar. O pano de sombra foi retirado do animal e ele mudou-se para águas um pouco mais profundas, onde permaneceu em um estado passivo, usando a cauda e as nadadeiras peitorais para se manter em pé para permitir uma respiração fácil sem gastar altos níveis de energia.

Este foi um indicador preliminar, de que o animal não estava com boa saúde, apesar do encalhe inicial. O animal foi observado a partir de embarcações e encorajado a nadar mais em direção à foz do estuário, usando um barco para bloquear o acesso ao estuário.

O comunicado, que temos vindo a citar, indica que as correntes estavam a empurrar o animal na direção oposta (para o estuário) e ele estava a mover-se passivamente, nadando e mantendo uma posição estacionária ou flutuando com a corrente. O animal mostrou esquiva muito moderada ou resposta de inclinação ao seu caminho de direcção a ser activamente bloqueado – um indicador secundário de que o animal não estava com boa saúde.

Em secções de águas mais profundas, o animal foi visto a exibir mais habilidade de natação, mas activamente escolhendo descansar em margens mais rasas.

Aproximadamente às 15h30, quando os níveis das marés estavam bastante elevados, o animal mudou-se do banco de água rasa, para uma secção do estuário com muitas gamboas (armadilhas para peixes cercadas de maré fixadas permanentemente, usadas para pesca artesanal).

O animal rolou de lado por cima da barreira externa da armadilha para peixes e entrou na armadilha. Isso impediu que o barco tivesse mais acesso para ajudar a orientar ou proteger o animal, então foi tomada a decisão de mudar para operações em terra.

O animal estava estacionário numa posição de aproximadamente 200m da costa da borda dos manguezais nas proximidades da Barra. Neste ponto, estima-se que a orca se afastou aproximadamente 3 km do local de encalhe inicial mais para dentro do estuário.

Uma equipa foi mobilizada de um mirante alto para observar a baleia enquanto a equipa do barco retornava à costa e deslocou-se para um outro ponto, a partir do qual um grupo de quatro caiaques se mobilizou para vigiar a baleia, já que pescadores de barco à vela se aproximavam cada vez mais do animal.

A equipa do caiaque permaneceu com o animal até o anoitecer. Antes disso, um barco à vela havia ancorado ao lado do animal para ajudar o grupo de caiaques, dois outros estavam preparados e prontos esperando a 200m de distância na orla dos manguezais. Dois agentes da Polícia estiveram no local e falaram com os pescadores e os donos dos barcos à vela a orientá-los para deixar o animal em paz e desencorajando-os de caça furtiva das espécies protegidas e explicando o potencial risco para a saúde do consumo do animal e o perigo para os pescadores estarem na água ao redor o animal ou carcaça devido ao aumento da actividade dos tubarões na área.

Uma multidão crescente reuniu-se na aldeia próxima. Os agentes da Polícia deixaram o local às 17h e a equipa do caiaque ficou com a baleia até escurecer por completo. Nenhuma das embarcações estava devidamente equipada para operações nocturnas e a equipa de caiaque voltou à costa no escuro devido às limitações de segurança.

A orca foi monitorada de terra até aproximadamente às 20h30, de onde a sua respiração podia ser ouvida. Depois de aproximadamente 21h00, o status do animal não pôde ser confirmado, no entanto a sua última posição conhecida foi em uma planície de maré que fica completamente exposta durante a maré baixa, que foi às 23h48.

Sucede que, no dia seguinte, dia 8 de Setembro, as investigações matinais começaram logo ao amanhecer e várias partes estiveram envolvidas na determinação da localização e do estado do animal.

Uma busca de barco foi realizada por volta das 6h00 na tentativa de localizar o animal. Em operações paralelas, foi realizada uma busca na costa por meio de uma moto-quatro para procurar sinais de encalhe ou confirmar uma carcaça, mas nada foi detectado no mar ou na costa.

Comunicações com líderes e Polícia locais e oficiais de pesca foram feitas na tentativa de confirmar rumores de que o animal estava morto e a carcaça já havia sido colhida pelas comunidades locais do continente e ilhas próximas para a carne de caça aquática.

Nesta fase, a causa da morte do referido animal e a razão para o comportamento de encalhe original permaneciam obscuros. O chefe da comunidade providenciou uma escolta e autorizou a equipa de pesquisa a inspeccionar a carcaça e realizar uma necropsia oportunista no animal.

A história não confirmada da carcaça nesta fase é que metade foi retida para a comunidade mais próxima de onde o animal foi visto vivo pela última vez, a outra metade foi rebocada por um barco à vela e levada para as ilhas próximas. Cada metade da carcaça foi distribuída entre as comunidades.

Anedotas de venda de carne foram relatadas nas ilhas no início da manhã, mas isso não pôde ser confirmado pelas autoridades durante uma visita ao local no final do dia.

Em relação aos restos parciais do animal, foram detectados a aproximadamente 1,5km de distância do último ponto em que o animal foi observado vivo. A cabeça e a metade das vértebras do animal foram deixadas na zona entre marés. No momento em que os pesquisadores chegaram ao local, a carcaça havia sido despojada de carne e parece que o fígado também foi colhido.

Alguns dos demais órgãos internos permaneceram no local, espalhados na areia ao redor da carcaça. A equipa conseguiu colectar algumas amostras de pele, gordura e rim dos restos mortais. Os pulmões e intestinos foram inspeccionados para cistos e parasitas. A inspecção dos intestinos mostra que as secções superior e inferior estavam cheias de tênias parasitas longas, de aproximadamente 1,5m e parece possível que a carga parasitária nos intestinos possa ter contribuído para a saúde do animal, embora isso ainda não tenha sido verificado.

O comunicado da Mega Fauna refere ainda que uma amostra dos parasitas foi colectada para posterior investigação. Uma secção da mandíbula e dentes foram colectados junto a três das vértebras. Todas as amostras foram colectadas para fornecer uma melhor compreensão da condição do animal e serão adicionadas ao conjunto de base de dados sobre o comportamento e os movimentos das orcas em águas tropicais no sudoeste do Oceano Índico.

Os biólogos envolvidos na operação alertam para risco de saúde para as pessoas que podem ter consumido a carne do animal ou estiveram em contacto directo com os restos da carcaça sem o equipamento de protecção adequado (ou seja, máscaras e luvas).

Alertam ainda que o aumento da actividade de tubarões pode ser esperado na área conforme os restos da carcaça se decompõem. Os usuários de água devem ter cuidado e são desencorajados a entrar nas águas circundantes durante horários de alto risco do dia (ou seja, pôr do sol, nascer do sol, águas turvas e ficar sozinho) pelos próximos 7 a 10 dias.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos