O País – A verdade como notícia

Operadores florestais em Sofala propõem sobretaxa a produtos de madeiras importados

Os operadores florestais da província de Sofala queixam-se de dificuldades para colocar produtos acabados no mercado nacional e apontam a mobília de madeira importada como o principal obstáculo ao negócio. Assim, eles propõem a aplicação de sobretaxa aos produtos de madeira importados.

O grupo diz que por conta da proliferação da mobília de madeira importada, os investimentos feitos nas indústrias de processamento não têm retorno, o que pode levar à falência.

Para os operadores florestais só há uma saída para alavancar as suas economias, bastante afectadas pelo ciclone Idai e pela COVID-19: o Estado devia aplicar uma quantia suplementar à tarifa ordinária exigida na importação de produtos de madeira importados.

Os operadores florestais entendem igualmente que o Estado devia introduzir uma obrigação no sentido de todas as suas obras serem apetrechadas com madeira produzida internamente.

“Qualidade nós temos, o que falta é oportunidade. Temos que começar a mudar de mentalidade para criar oportunidades aos nossos operadores florestais e garantir a industrialização do sector”, sugeriu Aldo Alcacha, um dos operadores florestais.

A sugestão foi manifestada na passada sexta-feira, na cidade da Beira, durante uma reunião organizada pelo gabinete da secretária do Estado da província de Sofala. O encontro visava discutir melhores formas para alavancar o sector e divulgar os procedimentos para a exploração florestal 2021.

No mesmo encontro, os operadores florestais mostraram-se ainda preocupados com a demora na atribuição de licenças. Por vezes, os documentos em causa chegam a ser emitidos com seis meses de atraso, abrindo espaço para os madeireiros operarem apenas três a quatro meses num ano, segundo explicou Rodrigo Sebastião, que opera no distrito de Marínguè.

Um outro operador, Osmane Mussa, que opera no distrito de Chemba, queixou-se do facto de estar a ser obrigado a construir uma infra-estrutura, anualmente, pela comunidade local, no âmbito da sua responsabilidade social.

Em resposta às preocupações apresentadas pelos operadores, a secretária do Estado da província de Sofala, Stela Zeca, defendeu o consumo de produtos acabados produzidos localmente e garantiu que junto de outros sectores iria se inteirar mais sobre as preocupações a si colocadas.

“Para mim não faz sentido uma licença ser emitida com mais de seis meses de atraso. Não há nenhuma justificação aceitável para tal. Este facto prejudica a vós, como operadores, e a nós, como Estado. No nosso entendimento, no âmbito da responsabilidade social, os operadores florestais devem construir uma infra-estrutura para as comunidades de cinco em cinco anos, salvo erro”, disse a dirigente.

“Vamos juntar esforços para garantir a industrialização dos operadores florestais. No próximo encontro contaremos com a presença de todos os sectores envolvidos na exploração da madeira”, de modo “a encontramos soluções definitivas” para os problemas elencados, garantiu Stela Zeca.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos