O País – A verdade como notícia

OMS lança estratégia para eliminar cancro do colo do útero

A Organização Mundial da Saúde (OMS) lança esta terça-feira uma estratégia global para acelerar a eliminação do cancro do colo do útero. A estratégia tem como objectivo vacinar 90% das raparigas contra o papilomavírus humano (a causa do cancro do colo do útero) até aos 15 anos de idade e exige também que 70% das mulheres sejam rastreadas aos 35 e 45 anos e que 90% das mulheres diagnosticadas com a doença sejam tratadas, escreve o Notícias ao Minuto.

Segundo a OMS, Se estas medidas forem implementadas com sucesso até 2030, os novos casos da doença poderão ser reduzidos em mais de 40% e o número de mortes em cinco milhões até 2050.

A organização  estima que o acesso generalizado à vacinação, rastreio e tratamento pode salvar cinco milhões de vidas até 2050.

“Eliminar o cancro teria em tempos parecido um sonho impossível, mas agora temos instrumentos eficazes e baratos, baseados em provas, para tornar esse sonho uma realidade”, afirma, num comunicado, o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

A menos que sejam tomadas novas medidas, o número anual de novos casos deverá aumentar de 570.000 para 700.000 entre 2018 e 2030 e o número anual de mortes deverá crescer de 311.000 para 400.000, adverte a OMS.

Segundo Tedros Adhanom “só podemos eliminar o cancro do colo do útero como um problema de saúde pública se combinarmos o poder dos instrumentos à nossa disposição com uma determinação inabalável de expandir a sua utilização à escala global”.

Os 194 membros da OMS comprometeram-se a eliminar o cancro do colo do útero, adotando uma resolução nesse sentido, na reunião anual da agência, realizada na semana passada, escreve Notícias ao Minuto.

“Este é um marco importante”, considerou, numa conferência de imprensa, a diretora-geral adjunta da OMS, Princess Nothemba Simelela. A representante da OMS realça que “pela primeira vez, o mundo concordou em eliminar o único cancro que podemos prevenir com uma vacina, e o único cancro que é curável se for detetado a tempo”.

Até agora os três principais instrumentos contra o cancro do colo do útero (vacinação, rastreio e tratamento) têm sido amplamente utilizados na maioria dos países ricos, mas a situação não é a mesma no resto do mundo, em particular devido ao elevado custo da vacina.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos