O País – A verdade como notícia

Olá, Penta…

O Ferroviário de Maputo revalidou, este sábado, o  título de campeão da cidade de  basquetebol em seniores femininos ao vencer  o Costa do Sol, por 73-45, no jogo 3 dos play-offs da final da Engen Maputo Basket. As “locomotivas” fizeram o três a zero na série a melhor de cinco jogos e conquistaram o quinto título consecutivo.

DOMINADOR, DOMINADOR, DOMINADOR…

Festa na quadra do pavilhão do Maxaquene. Uma festa que já é habitual para as cores verde-e-branca, já que foi a quinta vez consecutiva que o Ferroviário de Maputo conquistou  o título de campeão da cidade de Maputo de basquetebol sénior feminino.
E,  mais uma vez,  o Costa do Sol foi a “vítima” de uma equipa que mostrou ter melhor estrutura e automatismos consolidados.
O Ferroviário de Maputo entrou demolidor.

Com maior agressividade defensiva, forçando o seu adversário a cometer turnovers, e com transições em contra-ataque,  as “locomotivas” fizeram um parcial de 22-5 com 3 minutos por se jogar no primeiro quarto. Com dificuldades para fazer os ataques de transição e organizar o jogo da equipa, Denise Ernesto, base do Costa do Sol, esteve mal na abordagem ofensiva. Nas posições quatro e cinco, Ornila Mulhui e Ilda Chambe não conseguiam criar desequilíbrios. Consequência? Lançamentos precipitados e sem enquadramento.

Com Ingvild Mucauro em destaque, o Ferroviário de Maputo terminou o primeiro a vencer pelo parcial de 22-7. Fraca pontuação para a equipa do Costa do Sol que cometeu muitos erros.

Só no segundo período é que o Costa do Sol conseguiu chegar aos dois dígitos. As canarinhas entraram melhor, fazendo um parcial de 7-0.

Feitos os ajustes defensivos e com as ajudas a funcionarem, o Ferroviário de Maputo criou enormes dificuldades ao Costa do Sol.

Com tiro  um exterior, a extremo Elisabeth Perreira ainda tentou relançar a partida, reduzindo para nove pontos. Mas o Costa do Sol apresentou-se, depois, sem clarividência falhando situações de cesto fácil.

Mais forte fisicamente e com os automatismos acetados, a armada ”locomotiva” voltou a fugir no marcador, sendo que no final da primeira parte vencia por 35-20.

Já no terceiro período,  o Ferroviário de Maputo voltou a estar melhor na quadra. Ingvild Mucauro, que contabilizou 22 pontos no jogo, abriu esta etapa com um tiro exterior.

Com mais soluções, Leonel Manhique fez a rotação da equipa. E, com melhor esclarecimento ofensivo, o Ferroviário de Maputo foi dilatando a sua vantagem. O Costa do Sol não apresentava soluções para ir buscar o resultado.

As campeãs nacionais eram dominadoras na quadra. Quer no jogo interior quer no jogo exterior, o Ferroviário de Maputo era letal. E, no final do terceiro quarto, vencia já por 56-33.

O último quarto foi mesmo de gestão e  consolidação da vitória. Com a conquista, o Ferroviário de Maputo recebeu um cheque de 500 mil meticais, enquanto ao  Costa do Sol, segundo classificado, coube o valor de 300 mil. A fechar os lugares de pódio, a A Politécnica terminou em terceiro lugar e ficou com o cheque de 200 mil meticais.
 
INGVILD MUCAURO, A MVP

Com uma grande exibição no jogo 3 dos play-offs da final, no qual contabilizou 22 pontos, Ingvild Mucauro foi considerada MVP da Engen Maputo Basket. Mucauro sucede a Dulce Mabjaia, ela que ano passado foi melhor jogadora.

Como melhor jogadora da prova, irá receber o valor monetário de 50 mil meticais.  E levou ainda o prémio de melhor marcadora com 42 pontos, sucedendo a Deolinda Gimo. E, como o Ferroviário de Maputo levou tudo, Anabela Cossa foi considerada a melhor triplista da prova. Cossa esteve em bom plano nos jogos 1 e 2, com tiros exteriores que desequilibraram. Sucede a Dulce Mabaia. Como prémio, Anabela Cossa irá receber o valor monetário de 25 mil meticais.  

Já Odélia Mafanela foi considerada melhor ressaltadora da prova, sendo que terá como prémio o valor monetário de 25 mil meticais.

 

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos