O País – A verdade como notícia

Oito rinocerontes negros morrem  após internamento no Quénia

Uma tentativa de salvar rinocerontes negros, no Quénia, terminou em desastre. Oito rinocerontes negros ameaçados de extinção morreram no Quénia depois que trabalhadores da vida selvagem os transferiram da capital para um novo parque nacional.

Investigações preliminares apontam para o envenenamento por sal quando os rinocerontes tentaram se adaptar à água mais salgada, disse o Ministério do Turismo e Vida Selvagem, citado pela bbc news.

"A acção disciplinar será definitivamente tomada" se uma investigação sobre as mortes indicar negligência por parte dos funcionários da agência, disse o Ministério da Vida Selvagem do Quénia.

Segundo a WWF, as populações de rinocerontes negros diminuíram drasticamente no século 20, principalmente nas mãos de caçadores e colonos europeus. Entre 1960 e 1995, os números caíram 98%, para menos de 2.500.

Há uma estimativa da existência de 5500 rinocerontes-negros, dos quais 750 estão no Quénia. Espécie é alvo de caça furtiva devido ao valor dos chifres no mercado asiático.

Desde então, a espécie se recuperou, embora permaneça extremamente ameaçada. Além da caça furtiva, os animais também enfrentam a perda de habitat.

Para o caso de Moçambique, até 2016, constatou-se que só existiam pouco mais de duas dezenas de rinocerontes.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos