O País – A verdade como notícia

Oito entradas novas no espaço dos Mambas para serem avaliadas

O seleccionador nacional, Luís Gonçalves, chamou 34 jogadores para o estágio de 15 dias que terá lugar em Portugal, com destaque para as novas entradas, nomeadamente Teixeira, Fidel e Xirasse, todos da Associação Black Bulls, Nilton, do Costa do Sol, Bonera do Marítimo de Portugal e Ricardo Mondlane, do Sanjoanense, também de Portugal.

No estágio, os Mambas vão defrontar Guiné-Bissau e Angola, em preparação para os embates de Novembro, diante dos Camarões, de qualificação ao CAN-2021.

A preparação para a dupla jornada de qualificação ao CAN-2021, em Novembro, diante dos Camarões, começa mais cedo do que o previsto e com mais tempo de trabalho. O estágio será de 15 dias e será realizado em Portugal, mesmo para dar melhor resposta ao poderia do adversário e, quiçá, ter a possibilidade de ter todos jogadores, os internos e os que jogam fora, no mesmo espaço.

Luís Gonçalves quer um grupo forte para enfrentar a poderosa selecção dos Camarões, em Novembro, e para tal, vai experimentar 34 jogadores no estágio que inicia a 30 de Setembro corrente e termina a 16 de Outubro. Dos convocados, o destaque vai para jogadores da Black Bulls, chamados pela primeira vez ao espaço da selecção nacional, nomeadamente o guarda-redes Teixeira, o lateral Fidel, e o médio Xirasse, que trocou o Maxaquene pela ABB, para além de Nilton, do Costa do Sol, que ano passado fez uma grande época, e Tununo, lateral do Ferroviário de Maputo.

Mas para experimentar, foram chamados ainda o defesa Bonera, que actua no Marítimo, e o meio-campista Ricardo Mondlane, que joga no Sanjoanense, ambos de Portugal.

Mas também foram chamados outros tantos que há muito não davam seu contributo à selecção nacional, casos de Bhéu, Jeitoso, Nené, Lau King e Gildo, chamados pela primeira vez por Luís Gonçalves.

Com todos estes jogadores, o seleccionador nacional pretende “prepará-los da melhor forma possível para depois, em Novembro, esperamos nós, confrontarmos os nossos adversários, neste caso os Camarões, com maior foco, determinação e motivação”.

Gonçalves está confiante num bom estágio dos Mambas, até porque “vamos conseguir realizar um estágio mais longo e isso permite-me a mim e a equipa técnica, estarmos mais tempo e trabalharmos mais com os jogadores”, lamentando o facto de não poder contar com todo grupo completo desde o início, porque, “conforme sabem, os clubes só são obrigados a libertar os jogadores a partir do dia 05 de Outubro”.

NOVOS JOGADORES JÁ ESTAVAM NO RADAR DOS MAMBAS

A chamada de novos jogadores ao espaço da selecção nacional foi explicada por Luís Gonçalves, que diz tratar-se de jogadores que vinham sendo seguidos há bastante tempo. Gonçalves refere que sabe que muitos questionam estas escolhas, numa altura em que os mesmos não estão em competição há cinco meses, devido a pandemia da COVID-19 e explica: “tenho que me reportar ao nosso trabalho todo desenvolvido antes da pandemia e estes são jogadores referenciados, que estavam a ser seguidos e estavam no radar da selecção.

Felizmente temos a possibilidade de convocar 34 jogadores, contra 23que normalmente são convocados, e ao nos concederem essa possibilidade, decidi chamar esses jogadores, também para perceber como eles estão e avaliar melhor”, disse, para depois esclarecer que “nas selecções é muito difícil termos tempo para trabalhar e agora vamos ter algum tempo para trabalhar”, agradecendo este trabalho conjunto com a direcção da Federação Moçambicana de Futebol e pela abertura para a chamada de mais jogadores do que o previsto.

GUINÉ-BISSAU E ANGOLA: ADVERSÁRIOS POSSÍVEIS

Durante o estágio em Portugal, os Mambas vão defrontar a Guiné-Bissau, a 8 de Outubro, e Angola, a 13 do mesmo mês, adversários que são considerados mais próximos dos Camarões. “Os adversários são equipas competitivas, são equipas que nos vão criar problemas e que vão exigir de nós o nosso melhor, disso não tenho dúvidas”, justificou o seleccionador nacional.

Mas também há outro factor que propiciou esta escolha desses adversários: “temos que encontrar adversários que estejam disponíveis, que seja possível de jogar com eles. Claro que nós tentamos aproximar o máximo possível ao nosso futuro adversário (Camarões), mas eu, neste estágio, estou mais preocupado com a nossa equipa, com os processos e procedimentos da nossa equipa”, disse Luís Gonçalves.

Assim, os Jogadores que actuam em Moçambique partem a 30 de Setembro corrente a Portugal, onde se vão juntar aos estrangeiros a 5 de Outubro, para o primeiro jogo com Guiné-Bissau e a 13, com Angola, todos de preparação para os embates decisivos, diante dos Camarões, em Novembro próximo.

CAMARÕES NA HOLANDA PARA DEFRONTAR JAPÃO E ARGÉLIA

“Se olharmos para a pré-convocatória que foi divulgada pelos Camarões, também verificamos que 100% dos jogadores jogam na Europa. Então significa que é uma outra realidade. Com todo respeito, nós sabemos e temos consciência de que a selecção dos Camarões tem outras condições para fazer certas coisas e, naturalmente, puderam escolher os seus adversários, Japão e Argélia, e vão estagiar na Holanda. Nós sabemos disso e se olharmos só para esses aspectos podemos dizer que os Camarões, em Novembro, serão favoritos, ou seja, tem outras capacidades, outras condições, mas nós temos as nossas armas e estamos a fazer tudo o que é possível e que está ao nosso alcance, para estarmos nas melhores condições possíveis de competir contra uma das selecções mais fortes do continentes africano e do mundo. Esta é a realidade, mas nós não temos receio algum. E quando vamos competir, seja com Camarões ou outra selecção qualquer, vamos com o nosso objectivo de somar pontos”.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos