O País – A verdade como notícia

Ocupadas 21 das 70 camas para pacientes com COVID-19 em Tete

Preocupante é como as autoridades de saúde descrevem a situação de internamentos pela COVID-19, em Tete. A província conta com 21 internados, sendo que a sua capacidade é de 70 camas. Já o Grande Maputo conta com o reforço do Centro de Internamento de Mavalane que, em dois dias do seu funcionamento, admitiu seis pacientes.

A abertura do Centro de Isolamento de Mavalane estava prevista ainda na segunda vaga da pandemia da COVID-19 no país. A infra-estrutura foi edificada para reforçar a capacidade de internamento na região do Grande Maputo, uma vez que o hospital de referência para o tratamento do Coronavírus, Polana Caniço, estava à beira do colapso.

Contudo, a remodelação e abertura do Centro de Internamento de Mavalane ficou suspensa quando as autoridades de Saúde deram por vencida a segunda vaga.

Com a terceira vaga à espreita, o Centro de Mavalane já foi aberto e, em dois dias do seu funcionamento, foram admitidos seis pacientes infectados pela COVID-19.

“Como puderam ver, ontem (referindo-se a segunda-feira) tínhamos um doente e hoje (terça-feira) já foram transferidos do Hospital Central de Maputo mais cinco doentes, e acreditamos que, ao longo do dia de hoje (ontem), serão transferidos alguns mais”, revelou Luísa Panguene, Directora Nacional de Assistência Médica.

Os casos positivos do novo Coronavírus tendem a subir no país, por isso se antevêem dias difíceis. Além das 320 camas, Mavalane tem 13 enfermarias, o que o torna no maior centro do país. O centro conta ainda com dois tanques de oxigénio, um dos quais já está abastecido e a beneficiar os doentes já internados.

“Os tanques de oxigénio já estão preparados para poder dar suporte à tenda de internamentos assim como as outras enfermarias. Ainda não temos camas nas enfermarias por uma questão de organização, mas estão aqui, no hospital, e não colocamos por segurança”, justificou a dirigente.

Na visita que fez ao Centro de Internamento de Mavalane, a Directora Nacional da Assistência Médica fez, ainda, uma radiografia da situação de internamentos nos pontos considerados críticos. A província de Tete, onde já foi confirmado o primeiro caso da variante Delta da COVID-19, está no topo das preocupações das autoridades. Há 21 internados.

“Em Tete, tínhamos um centro de internamento da COVID-19 com perto de 40 camas, ou melhor, 38 para ser mais precisa. E dada à demanda, estamos a fechar esse centro e vamos evacuar os pacientes para centro de saúde número dois, recentemente inaugurado pelo Presidente da República para melhorar a capacidade de internamento, o que vai totalizar 70 camas”, explicou Luísa Panguene.

MAIS DE 100 CAMAS DE UM TOTAL DE 500 ESTÃO OCUPADAS EM MAPUTO

Segundo a dirigente, “a abertura do Centro de Internamento de Mavalane não significa que estamos perante o colapso do sistema de saúde, mas sim a um reforço da capacidade de resposta no Grande Maputo cuja totalidade passa a ser de 510 camas das quais 134 já foram ocupadas”, disse para depois detalhar:

“Nós temos, no Mavalane, 320 camas, na Polana Caniço 100; no Hospital Central de Maputo, há um centro transitório com 40 camas e temos, ainda, 50 na província de Maputo. Ou seja, esta é a capacidade de internamento a nível do Grande Maputo”, enumerou a Directora Nacional de Assistência Médica.

Dos internamentos recentes, o Ministério da Saúde ainda não sabe se são ou não relacionados à variante Delta, aguardando os resultados das amostras que já foram enviadas para laboratórios de outros países.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos