O País – A verdade como notícia

Óbitos fora do hospital devem ser encaminhados para morgue do Cemitério de Michafutene

Foto: O País

A morgue anexa ao Hospital Central de Maputo (HCM) está em reabilitação, facto que dita o reencaminhamento de óbitos extra-hospitalares para a morgue do Cemitério de Michafutene, no distrito de Marracuene, província de Maputo. Entretanto, poucos cidadãos conhecem o procedimento, o que algumas vezes cria constrangimento.

A morgue anexa à maior unidade sanitária do país, com capacidade para conservar 181 corpos, está sob gestão do Conselho Municipal da Cidade de Maputo e, neste momento, está em reabilitação. A situação levou à alteração do seu funcionamento no tratamento de corpos de pessoas que perdem a vida em casa, segundo a explicação avançada esta sexta-feira por Hélder Muando, director de Morgues e Cemitérios no Município de Maputo, na sequência de situações que têm originado especulações no seio do público por uma alegada devolução de corpos na morgue anexa ao Hospital Central de Maputo.

“Existem corpos de óbitos que ocorrem nas residências. Estes corpos precisam de ser encaminhados para alguma morgue, isto é, a família chama uma agência funerária e esta vai à casa para retirar o óbito. O que há a fazer é direccionar o óbito a uma casa mortuária, que é a morgue anexa ao Cemitério de Michafutene e não à anexa ao Hospital Central de Maputo”, explicou Muando.

Sob gestão municipal, existem sete morgues na Cidade de Maputo, mas o Hospital Central de Maputo tem a sua morgue, onde são conservados os corpos antes de serem submetidos à autópsia, que é feita diariamente, segundo a médica legista responsável do sector no HCM.

“Recebemos esses corpos e o Hospital tem a unidade da morgue que recebe esses corpos e, quando chega o dia da autópsia, e porque legalmente há processos que devem ser seguidos, são feitas as autópsias para se poder determinar as causas da morte. Posto isto, lavramos a certidão de óbito e enviamos o corpo à morgue da Direcção de Saúde da Cidade [de Maputo]”, esclareceu Jacinta Langa, que também garantiu que o Serviço de Medicina Legal funciona ininterruptamente todos os dias, para dar vasão à solicitação dos utentes.

De referir que, neste processo, também houve alteração do horário de transporte de corpos de indivíduos que morreram em casa, sendo que as agências funerárias podem transportar corpos das 6 às 17 horas todos os dias para a morgue anexa ao Cemitério de Michafutene; e das 17 às 06h fazem-no, diariamente, para a morgue anexa ao Hospital Central de Maputo.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos