O País – A verdade como notícia

Sector de bebidas alcoólicas sofre prejuízos com restrições impostas pela COVID-19

Associação dos Produtores e Importadores de Bebidas alcoólicas queixa-se de perdas avultadas resultantes das restrições impostas pelo Governo por conta da pandemia da COVID-19. A agremiação apela para o alargamento do horário de funcionamento dos botles stores e de outros locais similares.

O mercado moçambicano consome, anualmente, 300 milhões de litros de cerveja. Do ano passado a esta parte o consumo caiu 100 milhões de litros, ou seja, para cerca de 200 milhões de litros, devido às restrições impostas para a prevenção da COVID-19.

Quem o diz é a Associação dos Produtores e Importadores de Bebidas Alcoólicas, que esta segunda-feira manifestou a preocupação à imprensa.

A associação diz, ainda, que 23 mil pessoas encontram-se afectadas com esta situação das restrições, onde há perda de postos de trabalho. Sustenta a afirmação olhando, por exemplo, para os botles stores com limitação do horário de funcionamento, em cumprimento das orientações contidas no decreto 24/2021 de 26 de Abril.

“O nosso intuito acima de tudo é fazermos uma reflexão, e apelar para que os sectores que mencionamos como Botle Store, os armazéns, os supermercados possam operar dentro daquilo que é o horário estabelecido, normalmente, para a actividade económica, ou seja, das 09 as 18 horas, esse é o principal intuito por forma a garantir empregos e a contribuição fiscal”, apelou Francisco Júnior, presidente da associação.

A Associação dos Produtores e Importadores de Bebidas Alcoólicas considera, também, que foi excluído na última comunicação à Nação que determinou a reabertura de alguns sectores e manteve as quatros horas de funcionamento dos botles stores e áreas similares.

“Notamos que, neste último decreto, houve exclusão de um sector vital, o sector de botles stores, o sector de armazéns, mercearias e supermercados, especificamente, naquilo que é a venda de bebidas alcoólicas. Ora vejamos, os sectores que eu mencionei, anteriormente, são sectores que visam essencialmente a venda para o consumo em casa e não a venda no local, portanto, a venda, nesses locais, tem o intuito do consumo responsável no local de residência de cada um e já não incentiva o consumo nos locais de venda”, disse Francisco Júnior.

O cenário está a propiciar, igualmente, o recrudescimento do comércio ilícito no sector de bebidas, porque segundo argumenta a associação, no actual horário das nove às 13 não se faz negócio de bebidas alcoólicas.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos