O País – A verdade como notícia

“O padecer das rosas” inaugura semana do teatro no Ntsindya

Hoje, arrancou a semana do teatro, afinal, é sempre a 27 de Março que se celebra a efeméride dedicada àquela arte. E porque aos domingos quase nada acontece nas casas culturais do país, então, inicia, amanhã, às 18h, no Centro Cultural Ntsindya, no bairro Xipamanine, na cidade de Maputo, as comemorações do Dia Mundial do Teatro.

Por isso mesmo, os grupos Mintsu e Teatro Anónimo vão exibir os espectáculos O padecer das rosas e Espera de Godot. A primeira peça será exibida a partir das 18h15, devendo durar cerca de 25 minutos, segundo o programa. A segunda, irá aos palcos quando forem 19h05. Uma hora depois, o jornalista Belmiro Adamugy vai moderar um debate sobre as apresentações do dia.

Já no outro espaço cultural, Centro de Teatro do Oprimido, terça-feira, a peça apresentada será Munyama, do grupo Makweru, das 18h40 às 19h30, hora prevista para o debate sobre os espectáculos apresentados, moderado pelo actor Dadivo José.

Este ciclo organizado pela Associação Moçambicana do Teatro termina no próprio dia dedicado à arte, 27. Na manhã de quarta-feira, às 10h, na Escola de Comunicação e Artes (ECA) da Universidade Eduardo Mondlane (UEM), Zeca Tsamba, Joaquim Matavel e Ernesto Langa vão debater as “Influências da complexidade de produção de teatro para grupos amadores”. No princípio da noite, 18h, o grupo Oprimido vai levar ao palco do Teatro Avenida o espectáculo O corpo é meu. A seguir à exibição de meia hora, o grupo Mahamba vai encerrar a sessão de apresentação teatral com Culpado (combati um bom combate).

Por fim, a partir das 19h30, o jornalista Leonel Matusse vai moderar o último debate deste ciclo de celebrações, no Avenida.

Na óptica de Dadivo José, esta é uma boa oportunidade para os actores e encenadores mostrarem ao público o que é teatro e porque devem gostar desta manifestação artística. Assim, acredita o actor e professor da ECA, as pessoas poderão deixar de andar desavindos com o teatro. “Repare que isso nem acontece porque o público quer, mas porque, muitas vezes, é todo o dia bombardeado por outras ofertas, as quais, veiculadas pela televisão e pelas redes sociais, contribuem para se destruam grupos amadores. Então, nesta semana em que celebramos o dia do teatro, queremos, igualmente, levar boas produções ao palco e provar que existem bom teatro no país”. Mais não disse, Dadivo José.  

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos