O País – A verdade como notícia

O nosso querido ditador

Eis que fui a um colóquio… não, apresentação de um livro, disfarçado de colóquio. Na minha opinião, desnecessariamente porque é normal fazer menção à verdadeira intenção por detrás de um colóquio, até porque várias vezes, por coincidência, há livros a serem apresentados em colóquios. Bom! Então, depois do “colóquio” houve “petiscas e bebes” em redor da venda da obra.

– Ah, és de Moçambique… vocês tiveram uma história um tanto triste… e com um vizinho como a África do Sul ao lado, foi mesmo péssimo!
– Ah sim? De que fala?
– Falo do comunismo/socialismo…
– Mas fala da ideologia ou de Moçambique?
– …
– Não, é que imagino que a crítica que tenha a fazer seja geral, da ideologia, tal como lhe foi incutida na perspectiva ocidental. Deixe-me dizer-lhe isto: no caso de Moçambique, não foi tão mau assim…
– Mas e a ditadura?
– Qual ditadura? Ditadura é relativa…
– Ohohoho, nunca ouvi essa!
– Pois não, porque cresceu no tempo em que ou se era comunista ou se era democrata. Diferença equivalente ao diabo e o anjo, respectivamente… e hoje em dia, sabemos que assim não é nem nunca foi! Socialismo foi (comparativamente) o mal mais necessário para que tivéssemos a oportunidade de construir uma identidade nacional, depois da era colonial. Após o colonialismo, como é que se poderia ser pró-capitalismo? Afinal lutámos para construir uma nação ou para construir uma empresa? O capitalismo em si, nunca teve consideração para com valores de igualdade entre os Homens. Em nome do capitalismo sustentou-se a escravatura, o colonialismo, as invasões ao Vietname, Coreia, Cuba, Nicaragua (…) e o apoio aos movimentos beligerantes em África…
– Olha lá, quantos anos tens?
– Porquê?
– Vá lá, diz-me… eu tenho 50…
– E eu trinta e tal… continuando, o nosso ditador (em particular) era mais ditador para vocês e não para nós os moçambicanos. Era ditador porque não vos deixava entrar massivamente com os vossos produtos, marcas e estilo de vida virado para o consumismo sem limites! Era para vocês ditador porque escolheu o vosso inimigo como aliado! Estavam a perder zonas de influência para o inimigo, o que vos diminuiria a hegemonia mundial!
– Mas o teu querido ditador… não matou inocentes?
– Não tão aleatoriamente assim. E os vossos regimes democráticos, capitalistas, não matam inocentes? Ok. Portanto, nós precisávamos de espaço para aprender a ser donos da nossa terra; a amá-la e a criar mecanismos mentais e fisicos para defendê-la contra qualquer invasão desistabilizadora, incluindo a da globalização! Está a imaginar nós a gostarmos de Mcdonalds mais do que de um caril de amendoim?
– Isolamento, portanto. Tal como foi o caso de Cuba, que acabou moribunda e tal como é o caso da Coreia do Norte.
– Nada disso, nós tinhamos os nossos cooperantes. O que é certo é que precisávamos de tempo para incutir valores que nos identificassem como nação e o nosso ditador fê-lo de forma extremamente dedicada e marcante. Por isso é que ele é recordado em Moçambique com muito carinho, ao contrário do que deveria ser, caso tivesse sido o ditador que vocês o rotularam ser. O nosso ditador é hoje em dia fonte de princípios morais; é a nossa bíblia sagrada!
– Sabes, eu também sou socialista…
– Ahaha, em prol da diferença ou por uma questão de princípio? Sim porque anarquismo é “in” por estas bandas…
– Ouve lá, “in” com a minha idade?

Em jeito de sabotagem:

Socialismo – humanismo para com o próximo/Capitalismo ­– animalismo para com o próximo;
Socialismo – aplicação de penas de forma severa, explícita/Capitalismo – aplicação de penas severas, muitas vezes de forma oculta;
Socialismo – combate inimigos reais/Capitalismo – combate inimigos fictícios, inventados por si, para legitimar democraticamente (ou não) a sua invasão a países terceiros e ingerência em assuntos internos;
Socialismo – a maior parte de bens de primeira necessidade é grátis/Capitalismo – tudo vende-se. Se não tens dinheiro para pagar a tua estadia no hospital, a tua permanência será interrompida, sem qualquer preocupação com o teu potencial perecimento;
Socialismo – controle estatal severo, explícito/Capitalismo – câmaras por todo o lado; escutas telefónicas; hacking de computadores; todos os dados pessoais devem ser declarados em todas as instituições. Liberdade aparente, portanto…

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos