O País – A verdade como notícia

O escritor precisa de gerar renda? Editores apontam soluções para o livro no país

Os editores Jessemusse Cacinda, da Ethale Publishing, e Sandra Tamele, da Trinta Zero Nove, vêem como solução para os problemas relacionados com o mercado editorial moçambicano a aquisição do livro pelo Estado, pelos intelectuais e pela sociedade em geral. Nesse sentido, segundo defenderam na feira virtual da Fundza, é urgente que os leitores compreendam que os autores, os tradutores, os editores, os livreiros e etc., precisam que o livro venda para que possam pagar contas diárias.

 

Já se disse de várias formas que o negócio do livro não é lucrativo no país de Noronha, Craveirinha, Knopfli e Noémia de Sousa. Para as editoras moçambicanas, é sempre um grande desafio editar livros sem patrocínio num contexto em que o nível de cultura de compra é demasiado baixo. Convidados a desenvolver uma conversa sobre o tema “Mercado editorial em Moçambique: problemas e soluções”, Jessemusse Cacinda e Sandra Tamele apontaram alguns caminhos, que, se forem seguidos, podem alimentar a esperança de dias melhores.

Na feira do livro virtual realizada pela Fundza, os editores reafirmaram que o sucesso da literatura moçambicana depende da disponibilização de mais livros aos leitores. “Eu penso que cada leitor e a sociedade civil têm aqui um papel muito maior a desempenhar do que o Estado. Claro que não podemos perder de vista que, por exemplo, se o Ministério da Educação resolver criar um fundo que vai implicar a compra dos livros das editoras independentes e colocar em todas as bibliotecas escolares estará a dar um apoio enorme”. Entretanto, para Sandra Tamele, essa abertura só poderá acontecer se o país aprender a considerar que os escritores, os poetas e todos os intervenientes do mercado editorial precisam de gerar renda para superarem as contas diárias.

Mesmo reconhecendo a importância do Estado na promoção do livro, Jessemusse Cacinda perdeu todas as ilusões em relação a esse tema. Aliás, o editor lembrou que a Ethale Publishing nunca teve um apoio de Moçambique através, por exemplo, de um fundo de cultura ou de outro que vise apoiar o negócio do livro. Por consequência disso, desabafou: “o nosso principal objectivo, o nosso principal sonho, está sendo frustrado, porque nós precisamos de ter leitores. Sem leitores, nada do que estamos a fazer aqui vai funcionar, ou seja, vamos ser editoras hoje, que estão a fazer história, mas daqui a três anos não teremos como continuar”.

Na sua intervenção, Cacinda lembrou que Moçambique possui aproximadamente 50 instituições do ensino superior.  Considerando que uma universidade pública pode possuir 500 professores, o sonho da Ethale Publishing passa por esgotar quinhentas cópias de livros. Foi a essa altura que, aproveitando a deixa de Cacinda, Sandra Tamele reforçou que Moçambique tem  intelectuais e pensadores que não apoiam as editoras com compra de livros de autores nacionais.

A conversa entre Jessemusse Cacinda e Sandra Tamele, na feira do livro virtual da Fundza, semana passada, foi moderada por Faura Amisse.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos