O País – A verdade como notícia

“O bebedor de horizontes é o maior desafio do meu percurso literário”

Mia Couto lançou o terceiro livro da trilogia As areias do imperador: O bebedor de horizontes. A cerimónia de lançamento realizou-se ontem à noite, na Fundação Fernando Leite Couto, em Maputo, e contou com a presença de muitos leitores sedentos em ler o livro. Um desses leitores foi o Presidente da República, Filipe Nyusi, que na sua breve intervenção confessou estar ansioso em ler a nova obra do escritor.

Nyusi foi curto, mas disse o que lhe ia à alma, ao referir-se à razão que lhe levou àquela instituição cultural: “Eu cacei este dia. Já tinha dito ao Fernando, irmão do Mia Couto, que queria vir conhecer este espaço, e, quando soube do lançamento do livro, encontramos o dia. Este é um espaço de reencontro, reconciliação e de estórias, onde se exerce o poder da transparência”, disse o Presidente, elogiando a capacidade que a narrativa de Mia tem em envolver os leitores.

E o Presidente ainda aproveitou a ocasião para felicitar a família Couto por transformar a casa que um dia pertenceu aos pais de Mia numa Fundação onde o mundo se encontra e busca inspiração. “Se todas as famílias criarem espaços como este, não haverá fronteira para nada, porque encontraremos soluções para tudo que é necessário”.

E quanto à estrela da noite, bem, Mia começou a sua intervenção com um desabafo, a ter em conta para quem escreveu tantos livros: “ao longo do meu percurso literário, este [O bebedor de horizontes] foi o meu maior desafio literário, do qual saí esgotado, feliz e mais acompanhado, percebendo esta coisa que se diz em relação à ideia de que o texto literário é uma mentira e que o escritor, coitado, já é mal pago e que não deveria ser pago de todo, porque não se deve encorajar a mentira”, gracejou Mia. Mas não ficou por aí. O escritor disse que o atenuante que tem é saber que a mentira em causa não engana a ninguém. E qual é a mentira, afinal? Uma delas, de acordo com Mia, é a de que, ao escrever o livro, esteve a fingir estar a falar de outras pessoas que já não estão connosco, quando está a falar de nós próprios. “Eu estou a mentir que estou a falar do passado, mas estou a falar do presente. É isso que me interessa e foi isso que me entusiasmou a escrever este livro porque a obra levou-me a revisitar esse tempo que parece já ter passado. Nós nos desconhecemos muito, então é preciso uma viagem que é feita dentro nós, mas que precisa desse contacto permanente com os outros, de maneira que os outros deixem de ser outros e passem a ser alguém que está dentro de nós. Estas falsas diferenças que nos dividem e que hoje se colocam mais uma vez, por via da literatura, mostram-nos que são superficiais e circunstanciais”.

Mia Couto aproveitou ainda a cerimónia para elogiar o Presidente da República: “Esta proposta para encontrar o outro e perceber que o outro é muito próximo do que nós pensávamos, está aqui corporizada pelo Presidente da República. Vocês conhecem a minha posição crítica em relação às questões sociais e políticas, portanto, ninguém me pode acusar de bajulação ou de qualquer “lambebotismo”. Preciso dizer isto porque esta proposta que nos vem desde que o Presidente tomou posse, contra tudo e contra todos estabelecer diálogos e pontes, traz aqui uma grande esperança de Moçambique encontrar um tempo seu para que possa ser feliz”. Depois das palavras, Mia ofereceu um exemplar a Filipe Nyusi.

E quanto aos apresentadores? Como é óbvio, também tiveram uma oportunidade de dizer o que pensam sobre O bebedor de horizontes. O primeiro a intervir foi Severino Ngoenha, quem entende que o livro de Mia Couto encanta porque reinventa uma nova Gaza, Lourenço Marques e um novo Ngungunyane. E o mais importante, é um livro que ensina a sonhar. “O livro não nos diz tanto o que aconteceu no passado, mas o que nos toca no nosso presente, as nossas preocupações e as nossas dificuldades”, afirmou Ngoenha.

Lourenço do Rosário, o outro apresentador do livro, ao tecer seu comentário sobre a narrativa, disse que Mia já não é um contador de estórias, é um filósofo das narrativas do passado com uma acutilância que nos toca no presente, por ser actual.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos