O País – A verdade como notícia

Nyusi defende rejuvenescimento da Polícia de Fronteira para fazer frente à invasão terrorista

Foto: O Pais

O Presidente da República, Filipe Nyusi, efectuou, esta sexta-feira, visitas a diversas unidades da Polícia da República de Moçambique. O primeiro local escalado foi o Comando do Ramo da Polícia Lacustre e Fluvial, aonde chegou por volta das 9h00.

No local, já se encontravam o ministro do Interior, Amade Miquidade, Comandante-Geral da PRM, Bernardino Rafael, e elementos daquele ramo. Depois das honras, o Chefe de Estado foi encaminhado para o interior das instalações, onde recebeu explicações da chefia sobre o funcionamento da força. Na ocasião, referiu de forma breve que “pretendia perceber de perto como funciona aquela unidade”. Em seguida, a comitiva que o acompanhava rumou para o Comando do Ramo da Guarda Fronteira.

Foi naquele local, onde Filipe Nyusi falou da necessidade de intensificar a fiscalização nas fronteiras, pois é a partir delas em que se regista a entrada de indivíduos com pretensões criminosas. O Comandante-Chefe das Forças de Defesa e Segurança destacou a importância daquela força para protecção do território e soberania nacional.

Em jeito de exemplo, detalhou que os primeiros ataques terroristas, especificamente em Awasse, visaram posições da Polícia da Guarda Fronteira, agentes que, segundo revelou o Chefe de Estado, enfrentaram o inimigo com valentia.

“Eles atacaram, pois sabiam que vocês são os que dificultavam a entrada deles. Entendemos que precisamos de aumentar o pessoal para que estejam em número suficiente, porque as fronteiras são extensas e a maior parte das províncias tem fronteiras com países vizinhos. Precisamos também de rejuvenescer a força para que esteja preparada para os desafios. São vocês que ajudam a proteger os nossos recursos, florestais e minerais, ao não permitir a saída ilegal desses recursos”, referiu.

De salientar que grande parte das infra-estruturas onde funcionam os comandos dos diversos ramos da Polícia foram construídas no tempo colonial e clamam por intervenção.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos