O País – A verdade como notícia

Nyusi anuncia recepção da lista de homens da Renamo para integração

O processo negocial entre o governo e a Renamo pode estar longe de conhecer o seu desfecho. O facto é que em Abril a Perdiz, o principal partido de oposição moçambicana anunciou através do seu Presidente Ossufo Momade a entrega à Presidência da República de uma lista mista de 10 oficiais que ocuparão cargos de comando e chefia na Polícia da República de Moçambique (PRM).
 
A lista ora entregue decorre do cumprimento dos compromissos assumidos entre esta formação política e o governo moçambicano no memorando de entendimento assinado entre Ossufo Momade (enquanto presidente interino) e o Presidente da República, Filipe Nyusi, em Agosto de 2018

Volvidos cerca de um mês, neste sábado o Presidente da República Filipe Nyusi anunciou a recepção da lista, mas a mesma não respeita alguns critérios previamente acordados, “recebemos a lista dos elementos da Renamo que devem ser incorporados nas fileiras da PRM como núcleo inicial. Nós o governo não temos a moral suficiente para incluir os homens já na reserva e outros na reforma ou desmobilizados em detrimento daqueles que ainda se encontram nas fileiras da Renamo, aqueles pelo qual o diálogo com o falecido Afonso Dlhakama visava abranger. Os que fazem parte da lista já estiveram nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), uns passaram a reserva com subsídios de integração atribuídos e auferem salários ou pensões como outros seus colegas que são da proveniência do governo. Integrar essa lista significava por exemplo, integrar o tenente-general Mateus Ngonhama, o major general Hermínio Morais, significava por exemplo aqui na corporação policial integrar o inspetor geral Pascoal Ronda ou inspetor geral Miguel Santos. Vamos dar oportunidade outros jovens ou outros cidadãos para dar a sua contribuição para a defesa de Moçambique”.

O chefe de Estado diz que o executivo que dirige continua comprometido com o processo de paz efectiva e lança alguns recados, “mais uma vez apelamos para que quem não participa do diálogo deve abster se do comentário que não é do seu domínio para não confundir os moçambicanos incluindo os guerrilheiros da Renamo que aguardam com esperança, expectativa o desfecho do processo de desarmamento, desmobilização e a sua reintegração na sociedade”. Acrescentou Filipe Nyusi

O memorando de entendimento é sobre questões militares e visa pôr fim ao conflito político-militar, em tréguas desde 2017 declaradas pelo já falecido Presidente da Renamo, Afonso Dhlakama.

O acordo prevê o reenquadramento dos oficiais generais da Renamo nos cargos de comando e chefia nas Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM), PRM, nos Serviços de Informação e Segurança do Estado (SISE) e nas instituições de ensino adstritas às Forças de Defesa e Segurança (FDS).

No âmbito da implementação deste memorando, 14 oficiais generais da Renamo já estão integrados nos cargos de comando de chefia das FADM.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos