O País – A verdade como notícia

Noventa e duas famílias deslocadas pelo terrorismo reassentadas em Nampula

Iniciou uma nova vida para muitas 92 famílias de deslocados de Cabo Delgado que passam a ter residência fixa em Nampula. O secretário de Estado naquela província diz que o processo não é forçado e o Governo e parceiros vão criando melhores condições na zona de reassentamento.

Cesaquiwa Omar, 18 anos de idade, carrega no colo o seu filho de 3 meses de vida, nascido no meio ao conflito que a forçou a deixar a terra natal, a província de Cabo Delgado, e buscar refúgio em Nampula, juntamente com o marido.

De poucas palavras, a jovem mãe, sente que deixou um fardo para trás e na nova terra ganhou esperança de vida. “Gostei deste sítio. Lá não tinha casa e aqui vou ter casa”. na verdade ela já tem uma “casa” provisória feita de uma tenda, num talhão dimensionado para a fixação de residências finais.

O sol era escaldante, passava do meio-dia. O centro de reassentamento da província de Nampula, localizado no posto administrativo de Corane, distrito de Meconta, registava um movimento de chegadas, de convívio e de agitação de crianças que ganhavam novamente um ambiente de família e comunitário mais tranquilo, depois de terem passado por situações de violência armada nas zonas de procedência e de certa privação de liberdades individuais plenas nos centros de acolhimento transitórios em Meconta, onde foram recebidos quando chegaram a Nampula fugindo do terrorismo.

Cada tenda montada tem capacidade para albergar uma família de cinco membros e foram montadas numa área identificada que perfaz no total 1500 hectares e as parcelas para habitação foram feitas numa dimensão de 30 por 20 metros.

“Tem lá uma tenda que está disponível transitoriamente dentro de algum tempo inicia o processo de construção de abrigo transitório por forma a libertar estas tendas e servirem para mais famílias que estejam a precisar. Naqueles locais, o ordenamento já assim se refere para cada família já tem espaço identificado para a construção de sua casa definitiva. Nós como Governo estamos a preparar os apoios para que possam realizar com sucesso esse processo de construção. Nesta fase já existem os sanitários públicos, mas vamos disponibilizar material para que cada família possa construir o seu sanit’ario”, explicou Mety Gondola, secretário de Estado na província de Nampula.

Muita coisa ainda está em construção. As tendas, essas, foram montadas faz algum tempo e esta quarta-feira iniciou oficialmente o processo de transferência dos deslocados que estavam nos quatro centros transitórios no posto administrativo de Namialo, ainda em Meconta.

Novo espaço habitacional, nova vida e planos para o futuro, é a equação que Renita António, uma das deslocadas, faz: “o meu plano, como sou camponesa, é de ir à machamba, cultivar e se conseguir alguma coisa levar os meus (cinco) filhos para estudarem”.

A distribuição de espaço para machambas faz parte do projecto de reassentamento para que as famílias aqui possam ter um meio de subsistência.

“Cada família vai receber um hectare e meio e vamos distribuir material produtivo, portanto, enxadas, catanas, semente para a produção e vamos assegurar que haja apoio, vamos disponibilizar tractores para poderem ajudar na preparação da terra”, avançou Gondola.

Até ao dia 2 de Novembro, estavam registados cerca de 34700 deslocados espalhados em 18 distritos da província de Nampula, mas nem todos serão reassentados, porque o processo não é obrigatório.

Nestes primeiros dias foram enquadradas 338 pessoas, correspondentes a 92 famílias. Duas escolas que serviam de centros de acolhimento transitório em Namialo já estão livres.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos