O País – A verdade como notícia

Ngulela para “alavancar” Desportivo Maputo

Ajudou o clube a chegar ao Olimpo de África, em 2008, em Nairobi, Quénia. Na altura, treinado por Nasir “Nelito” Salé, o Desportivo Maputo conquistou o segundo título consecutivo na Taça dos Clubes Campeões Africanos de Basquetebol em seniores femininos, tendo como um dos destaques Deolinda Carmen Ngulela. Aliás, a FIBA-África a reconheceu no “Africano” de 2003, uma das melhores bases do continente.

Hoje, e dois anos (2019) depois de ter deixado o Costa do Sol, clube que luta pelo título até pelo grande investimento que tem realizado, Deolinda Carmen Ngulela abraça um projecto completamente diferente.

É verdade: no Desportivo Maputo, a jovem treinadora não só não estará pressionada a chegar ao pódio nas competições em que o clube toma parte como, também, será dada espaço para formar, gradualmente, uma equipa competitiva.

Sem a mesma musculatura financeira do passado, e sem uma equipa equilibrada que dominou o panorama do basquetebol moçambicano durante alguns anos, conquistando tudo o que havia para conquistar (a título de exemplo, com a geração de atletas Anabela Cossa, Kátia Alar, Valerdina Manhonga, Odélia Mafanela, entre outras) o Desportivo Maputo apresenta hoje um plantel muito jovem.

É com estas atletas que Deolinda Ngulela vai procurar transmitir o seu conhecimento para que, daqui a alguns anos, cresçam como atletas e aperfeiçoem as suas qualidades.

Lembre-se que Deolinda Ngulela começou, em 2015, por ser treinadora-jogadora do Costa do Sol, clube na altura presidido por Amosse Chicualacuala.

Ao Costa do Sol, a antiga capitã da selecção nacional levou consigo as atletas Deolinda Gimo, Ilda Chambe, Cátia Alar, Filomena Micato, Eduarda Chongo, Elisabeth Pereira e Valerdina Manhonga, algumas delas campeãs africanas pelo Desportivo de Maputo.

No mesmo ano, o Costa do Sol perdeu na final do Campeonato Nacional com o Ferroviário de Maputo, por 57-51. Já em 2016, mesmo depois de ter voltado a dar réplica, Deolinda Ngulela viu novamente o Ferroviário de Maputo erguer o troféu após vitória por 55-47.

Ngulela conduzira, em Março de 2017, o Costa do Sol ao título na Taça Maputo com uma vitória sobre o Ferroviário de Maputo, por 60-47.

O que é certo, é que o Ferroviário de Maputo voltou a dominar quer o Campeonato da Cidade (Engen Maputo Basket) quer no “nacional” conquistando todas provas até 2019.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos