O País – A verdade como notícia

“Não basta o benefício etário para exigir direitos. Deve-se combinar a capacidade e a competência”

Do Mozefo Young Leaders, Carlos Mussanhane, administrador de Mabote, Inhambane, aproveitou para dar o “puxão de orelha” aos jovens. Para este dirigente, não basta ser jovem para exigir direitos

 

Carlos Mussanhane foi um dos painelistas convidados ao tema: “Jovens excluídos por assimetrias geográficas”, que teve no jornalista Boaventura Mucipo o moderador.

“Não basta o benefício etário para exigir direitos. O jovem tem de combinar o benefício etário à capacidade e competência”.

Mussanhane defende que é preciso consciecializar as pessoas que não são beneficiárias de apoios, mas são todas participantes activos no processo de criação da renda.

“O maior investimento que temos neste momento e a construção de um pensamento comum. Nós queremos coisas que produzam renda. Estamos neste momento a dar cesta básica a certas pessoas, o que não nos agrada”, avança, acrescentando que “precisamos produzir internamente para reduzir as importações e desenvolver Mabote”.

Por sua vez, a administradora de Namaacha, Suzete Dança, defende que não há desenvolvimento possível sem o saber fazer.

“Para que haja inserção, há pressupostos que têm de ser levados em conta, como formação técnico-profissional, o que temos estado a privilegiar para que o jovem adquira, onde esteja, o saber fazer”.

Diz mais, que a descentralização do poder é uma das formas de redução de assimetrias.

“Ao estruturar-se o Governo a nível central com serviços direccionados, como Secretaria do Estado da Juventude de Emprego, já se tem um objectivo por alcançar. A estrutura criada vai descer até ao distrito, possibilitando a redução de assimetrias”.

Termina assegurando que a população moçambicana é maioritariamente jovem, por isso não tem como fazer planos sem olhar para esta faixa etária.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos