O País – A verdade como notícia

Nampula encerra mercados para evitar propagação da covid-19

O Município de Nampula vai encerrar três mercados formais por três dias para permitir a sua reorganização para evitar a propagação do coronavírus. A medida começa esta sexta-feira

A decisão do Município de Nampula acontece um mês depois de ter-se registado o primeiro caso positivo para o coronavírus e em pouco tempo a província de Nampula passou a liderar os casos activos, e a cidade em particular foi o primeiro espaço a entrar para o padrão de contaminação comunitária do coronavírus no país.

“Primeiro é o mercado Waresta, o segundo é o mercado do peixe, o terceiro  o mercado da esquina central vulgo OJM. Serão encerrados por três dias onde iremos demarcar para o distanciamento social, reorganizarmos as secções porque algumas vão passar para outros mercados no âmbito do distanciamento social vão passar para outros mercados que estavam às moscas e o que podemos garantir é que nenhum comerciante vai ficar sem exercer a sua actividade comercial”, garantiu Osvaldo Ossufo Momade, vereador para a área de Promoção Económica, Mercados e Feiras no Município de Nampula.

No caso do mercado grossista Waresta, já havia uma decisão anterior de diminuição de 40% dos vendedores para o mercado de Natikiri. Trata-se de um espaço sem infra-estruturas básicas para acomodar os vendedores.

Quando a nossa equipa de reportagem esteve no terreno, os vendedores construíam as  bancas a título individual, debaixo deste alpendre improvisado e não existem balneários prontos.

“Neste momento o que estou a ver é a estrada (que dá acesso ao mercado) que estão a mexer, mas o nosso presidente nos garante que nos irá ajudar com o alpendre. Talvez vamos prosseguir juntos, porque esta é uma guerra. Este mercado é antigo e não estava a ser usado”, esclareceu Orlando Valentim, chefe do mercado de Natikiri.

Em resposta, o vereador para a área de Promoção Económica, Mercados e Feiras, disse que o mercado de Natikiri é destinado aos armazenistas e outros vendedores de produtos não perecíveis.

“Os armazéns lá já estão concluídos e é lá onde nós pretendemos ter s carga e descargas. Aquele mercado, a ideia, é mesmo para acomodar os armazenistas”, garantiu Momade.

A edilidade avisa ainda que vai encerrar definitivamente 14 mercados informais em toda autarquia.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos