O País – A verdade como notícia

Namaacha vai produzir vinho até 2020

A visita de três dias a vários distritos da capital do país acontece duas semanas após o III Conselho Coordenador do Ministério da Agricultura e Segurança Alimentar, que teve como um dos panos de fundo a auscultação das dificuldades que os produtores da província de Maputo têm enfrentado no exercício das suas actividades e tentar buscar soluções para os problemas apresentados.
Provavelmente seja por aqui que se explica, que a visita do ministro José Pacheco tenha começado pelos produtores do Vale do Infulene, que no Conselho Coordenador apresentaram três preocupações: uma vala de irrigação obstruída e que tem causado inundações em épocas húmidas, falta de uma via (estrada) que permite o escoamento da produção (predominantemente de hortícolas) para os mercados e falta do Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT), que assegure protecção aos produtores para o exercício das suas actividades.      
Esta quinta-feira, José Pacheco foi ver de perto o estado daquelas infra-estruturas e reiterou a promessa de reabilitação da vala a partir da próxima semana, o início das obras da estrada para o escoamento da produção dentro em breve e a busca de informações sobre o ponto de situação do DUAT no Conselho Municipal da Matola.
Pacheco também visitou produtores bem-sucedidos na produção de hortícolas e que fornecem a produtores da cadeia de supermercados da capital, visitou avicultores, e a todos prometeu apoio do Governo para a ampliação da produção.
A cadeia de produção de frangos Higest foi também ponto escalado pelo ministro e sua comitiva. Perante a interdição de importação de frango, o ministro desafia aquele grupo a aproveitar a oportunidade para conquistar o mercado. A Higest, neste domínio, tenciona investir 25 milhões de dólares para triplicar a produção nacional nos próximos dois anos (até 2019).
Visabeira planta videiras em Maputo
Ainda ontem, o ministro da Agricultura e Segurança Alimentar, José Pacheco, foi ver um projecto de plantio de videiras, de capital público-privado, sendo o privado o Grupo português Visabeira, cujo foco é a produção de vinho. Neste momento, o projecto está a ser desenvolvido em meio hectare e está a produzir uvas não comercializáveis, prevendo-se que comece a produzir uvas comercializáveis dentro de dois anos. Mas o foco é a produção do vinho nacional, o que se espera que aconteça a partir de 2020. Além do distrito da Namaacha, o projecto, denominado Experimenta Vinha, tem lugar no distrito de Sussundenga, província de Manica.
Hoje e amanhã, o ministro da Agricultura e Segurança Alimentar escala outros pontos para a monitoria do grau de realização das metas da campanha agrícola 2016/17. Entre os pontos a escalar estão os distritos de Magude a da Manhiça, potenciais produtores de alimentos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos