O País – A verdade como notícia

Nada de novo!

Foto: BLACK BULLS

A Associação Black Bulls empatou, este domingo, com o Textáfrica de Chimoio (1-1) em jogo da jornada 22 do Moçambola-2021. O mesmo resultado foi registado no duelo “must” desta ronda, entre o Ferroviário da Beira e União Desportiva do Songo. Contas feitas, nem “touros” e muito menos “locomotivas” do Chiveve deram um passo para “largada” na “louca perseguição” na luta pelo título. Agradecem os aficcionados da bola indígena. Ou melhor, aqueles que gostam do limite.

Tudo na mesma no Moçambola-2021. A diferença pontual entre o líder (Associação Black Bulls) e o segundo classificado (Ferroviário da Beira) mantém-se: cinco pontos. Há, por isso, e por enquanto, alguma incógnita quanto a quem, no final, corta a meta na dianteira. Os 360 minutos (quatro jornadas), ou até menos que isso, que restam por disputar por cada uma das 14 equipas do Moçambola vão definir quem sucede ao Costa do Sol no olimpo do futebol moçambicano. Certo, certo mesmo, é que tanto Associação Black Bulls quanto o Ferroviário da Beira esbarraram em empate a uma bola nos confrontos realizados diante do Textáfrica de Chimoio e União Desportiva do Songo, respectivamente.

No planalto da Soalpo, mais um jogo de dificuldades acrescidas para os “touros” na caminhada para o inédito título, na sua primeira vez na elite do futebol moçambicano.

Heldinho bem tentou acabar com a resistência dos “fabris do planalto” e dar a “décima” da ABB no Moçambola-2021, ao marcar aos 86 minutos. Mas, três minutos depois, Asten marcou na própria baliza e “contribuiu” para que o Textáfrica de Chimoio, lanterna vermelha da prova com apenas 12 pontos, evitasse mais um desaire. Saiu a ABB com o sétimo empate na prova, mais um ponto conquistado!

Mais do mesmo no Caldeirão do Chiveve. O Ferroviário da Beira não conseguiu agigantar-se, perante o fervoroso público, para sair vitorioso na recepção à União Desportiva do Songo, no embate de destaque da 22ª ronda.

Agenor, em momento de pura infelicidade, fez um autogolo, colocando os “locomotivas” do Chiveve em vantagem aos 36 minutos. Bhéu restabeleceu a igualdade para os “hidroeléctricos”. O conjunto de Akil Marcelino não conseguiu aproveitar o empate da ABB em Manica, mas também não deixou o seu adversário disparar. Há ainda uma batalha por travar.

E é tão verdade que ainda mora no Chiveve a esperança de conquistar o Moçambola cinco anos depois. Com menos um jogo, a União Desportiva do Songo é terceira classificada com 38 pontos!

Não esteve para meias medidas a equipa sensação da prova, Ferroviário de Lichinga. Em casa, despachou e afundou cada vez mais o “moribundo” Desportivo Maputo por 3-0.

Djei, o suspeito do costume, bisou e ainda houve tempo para o “madala” Magaba fazer o gosto ao pé, com um tento aos 53. Com esta vitória, que confirma a excelente campanha na prova, o conjunto dos ex-internacionais moçambicanos Antoninho Muchana e Arnaldo Ouana ocupa a quarta posição com 38 pontos. Os “alvi-negros” averbaram a sexta derrota consecutiva na prova, complicando as contas da fuga à zona de despromoção. São, nesta altura, penúltimos classificados com 15 pontos! O rei vai nu!

Importantíssimos quanto motivadores, sobretudo, numa temporada atípica e de incertezas, o Incomáti de Xinavane arrancou três pontos no duelo com o Ferroviário de Maputo. Uma vitória (1-0) sobre os “locomotivas” de Maputo é, para todos os efeitos, um balão de oxigénio para quem roça à zona de despromoção. Os açucareiros, cujos quatro jogos ainda por disputar serão autênticas finais, ocupam a 11ª posição com 23 pontos. O Ferroviário de Maputo, esse, caiu para a 5ª posição, agora com 35 pontos.

Numa época para esquecer, o clube mais titulado do país alcançou a segunda vitória consecutiva no Moçambola. Mas deu para esconder o aturado trabalho que Artur Semedo tem por realizar para colocar a equipa a jogar ao nível que deseja. Sábado, no arranque da jornada 22, o Costa do Sol, que sofrera no clássico com o Desportivo Maputo, bateu o Ferroviário de Nacala por 1-0. Valeram os três pontos que colocam o desencontrado campeão em título na 6ª posição com 32 pontos.

Nacala continua com a situação indefinida quanto à manutenção, até porque está na 10ª posição com 25 pontos. Há que arrepiar caminho nos próximos jogos para não cair na zona de despromoção.

Um degrau abaixo está a Associação Desportiva de Vilankulo que empatou com a Liga Desportiva de Maputo a uma bola.

Uma coisa é certa: há Vilankulo no próximo Moçambola, a rota continua e a luta por uma melhor classificação também continua. A ADV, bem tranquila, embora tenha colocado outra meta, é para já 7ª classificada com 31 pontos.

A Liga Desportiva de Maputo, de Dário Monteiro, surge na posição 9, menos quatro pontos: 27. Em Mocuba, respiram-se ainda os ares da zona de aflição. E não é para menos. No Estádio 25 de Junho, os “militares” perderam diante do Ferroviário de Nampula por 1-0, com o tento solitário a ser da autoria de Salas aos 71 minutos.

O Matchedje de Mocuba é décimo sexto classificado com 16 pontos, enquanto o Ferroviário de Nampula ocupa o oitavo lugar.

 

BOLA PÁRA DE ROLAR POR UMA SEMANA

O Moçambola 2021 irá observar um interregno de uma semana para dar lugar aos compromissos dos Mambas nas eliminatórias de acesso ao Mundial Qatar 2022. A selecção nacional defronta, a 8 de Outubro, com a sua similar dos Camarões, no Marrocos, em desafio inserido na jornada 3 do grupo B. Três dias depois, o combinado nacional bate-se com os “Leões Indomáveis” em Doula, já a contar para a quarta ronda.

Na retoma da prova, temos jogos decisivos. No Complexo Desportivo de Tchumene, na Matola, a Associação Black Bulls recebe o Costa do Sol, campeão em título. É um jogo em que os “touros” são obrigados a vencer para não permitirem a aproximação do Ferroviário da Beira, segundo classificado.

Os “canarinhos” procuram a sua terceira vitória consecutiva no campeonato nacional de futebol. Na primeira volta, houve registo de um empate a duas bolas no duelo entre o Costa do Sol e Black Bulls. Rume, aos 25 minutos, e Hammed, no minuto 45, marcaram para os “touros”, enquanto Milton (35′) e Stephane (43′) foram os autores dos golos dos “canarinhos”.

Jogo entre conjuntos em posições extremas na tabela classificativa, no campo da FMF, na Machava: Desportivo Maputo vs Ferroviário da Beira. Os “locomotivas” do Chiveve ainda acreditam na conquista do título, pelo que irão entrar para o duelo com os “alvi-negros” com os olhos postos na vitória. Esta será mais uma final para os “alvi-negros” que lutam desesperadamente para saírem da zona de despromoção e fugirem da disputa da “liguilha”. Os “locomotivas” do Chiveve venceram, na primeira volta, por um a zero, num jogo marcado por polémica no lance que deu origem ao golo de Dayo aos 90+5.

No Songo, e com a vitória no horizonte, os “hidroeléctricos” recebem o Incomáti de Xinavane que está pressionado a pontuar sob o risco de cair para a zona de despromoção. A União Desportiva do Songo vai procurar capitalizar o factor casa para amealhar mais três pontos e melhorar a sua classificação. Os “hidroeléctricos” derrotaram os “açucareiros” por um 2-1 na primeira volta.

O lanterna vermelha, Textáfrica de Chimoio, tem uma deslocação difícil a Hanhane, Matola, onde se lhe espera uma Liga Desportiva de Maputo que está a fazer uma campanha tranquila. Os “fabris do planalto” não atiram a toalha ao chão, daí que irão tentar contrariar o favoritismo do conjunto de Dário Monteiro. Em Nacala, e depois de uma derrota com o Costa do Sol, o Ferroviário local bate-se com o de Lichinga, conjunto que já assegurou a manutenção. Mais: está a fazer um campeonato digno de realce, colocando-se entre as seis primeiras posições na tabela classificativa. Vivaldo e Djey foram os autores dos golos que ditaram a vitória do Ferroviário de Lichinga, por 2-0, na primeira volta.

No Estádio da Machava, temos duelo de “locomotivas”. O Ferroviário de Maputo recebe o seu homónimo de Nampula, colado aos lugares de despromoção. É fundamental pontuar para o conjunto orientado por Nelson Santos para não ter que arrastar até às últimas jornadas a decisão de manutenção. O Ferroviário de Maputo, esse, quer vencer para não cair dos lugares de pódio. O Ferroviário de Nampula venceu, na primeira volta, o seu homónimo de Maputo por 1-0 com golo de Salas aos seis minutos.

O aflito Matchedeje de Mocuba joga com a Associação Desportiva de Vilankulo, num embate em que a primeira formação tem que vencer ou vencer. Os “militares” jogam mais um cartada importante na luta pela fuga à zona de despromoção, mas terão pela frente uma AD Vilankulo que quer pontuar para melhorar a sua prestação na prova rainha do futebol moçambicano. Na jornada 10, houve registo de um empate a duas bolas no confronto Associação Desportiva de Vilankulo- Matchedje de Mocuba.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos