O País – A verdade como notícia

Mudanças nas carrinhas escolares podem custar muito dinheiro aos transportadores

Foi a 26 de Fevereiro de 2019 que o Governo aprovou o novo regulamento do transporte rodoviário. O instrumento prevê, dentre várias novidades, a obrigatoriedade de todas carrinhas escolares estarem pintadas de cor amarela para sua fácil identificação.

Quase três meses após a sua aprovação, a realidade contraria os escritos.
A nossa reportagem visitou algumas escolas da cidade de Maputo e as constatações foram estas: Azul, cinzento e até branco continuam as cores predominantes entre viaturas escolares. O que todas elas têm em comum é, apenas, uma faixa amarela com escrita “escolar” que os identifica como tal. Os transportadores têm conhecimento do novo regulamento, mas fazem ouvidos de mercador, e justificam com a falta dinheiro para implementar

“A maioria das carrinhas, nós alugamos. Então vai ser muito difícil alugar a carrinha e vir trocar as características e isso implica custos. E quando termina a actividade ter que voltar a pintar a carrinha e devolver ao proprietário”, revelou Mário Manhique, um dos transportadores de carrinha escolar.

E Pedro João diz que ainda que a viatura seja sua, o transportador “vai ser obrigado a trocar a cor no livrete e isso serão recursos a serem tirados, mas o Governo nem sequer tem isso em conta. Nós é que seremos sacrificados a tirar o valor para fazer isso”, disse o nosso interlocutor num tom de frustração.   

Além da obrigação de pintar as carrinhas de cor amarela, o novo regulamento prevê outras alterações: “A instituição de uma figura de vigilante no transporte escolar para garantir e zelar pelas condições de segurança dos estudantes e crianças durante a viagem bem como no momento de tomada e largada dos mesmos”, anunciou o ministro dos Transportes e Comunicações no briefing do Conselho de Ministros a 26 de Fevereiro deste ano.   

E a medida não caiu bem para os transportadores…
“Isso aí não será possível porque eu estou a trabalhar para mim e não terei dinheiro de pagar outra pessoa”, declinou Fred Tovela, transportador de carrinha escolar.

Quando a nossa equipa gravava este apontamento de reportagem, estavam perfilados nas principais avenidas, agentes da Polícia Municipal que fiscalizavam a lotação das carrinhas escolares e, na tentativa de saber se a sua acção incidia sobre o novo regulamento do executivo, estes nos submeteram ao Ministério dos Transportes que prometeu se pronunciar oportunamente.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos