O País – A verdade como notícia

MozGrow junta mais de 200 actores para debater futuro do agro-negócio

Produtores e outros operadores do agro-negócio, ao nível da província de Nampula, pedem mais apoio ao sector como forma de alavancar o desenvolvimento e aumentar a contribuição na economia nacional.

O pedido foi apresentado esta semana durante um encontro organizado pela MozGrow, que juntou mais de 200 intervenientes directos do sector produtivo, nomeadamente, agricultores, empresários, instituições bancárias e de microcrédito, membros do Governo e das organizações da sociedade civil.

O apoio solicitado destina-se ao desenvolvimento de infra-estruturas, o acesso ao financiamento, seguros agrários, o mercado para a comercialização dos produtos agrícolas, armazenamento, entre outros.

O evento, que acontece pela primeira vez na região norte do país, é da iniciativa da Fundação SOICO (FUNDASO) em colaboração com a Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA) e parceiros.

A administradora da Fundação Soico, organização que gere o projecto MozGrow, disse que os desafios do sector devem ser enfrentados por todos os intervenientes da cadeia produtiva.

“Existe um vasto potencial agro-ecológico, mas prevalecem os desafios da operacionalização agrícola em Moçambique, especificamente nas acções orientadas para o aumento da produção e produtividade. Precisamos, portanto, de ter uma visão de conjunto holística, porque temos longo caminho por percorrer em todas a cadeia de valores do agro-negócio”, disse.

Produtores preocupados

Teresa Namithu, produtora do distrito de Malema, intervindo no debate disse que a mecanização agrícola continua esquecida, o que cria maior entrave no sector. Mais adiante, referiu que neste ano perdeu 17 hectares de milho devido à praga da Lagarta e questionou sobre o que é que está sendo feito para o combater este problema.

Judite Celeste, do sector do agro-processamento, na província de Nampula, destacou a falta de honestidade dos comerciantes de cereais, que em algum momento têm fixado preços baixos para a compra dos seus produtos.

O director provincial da Agricultura e Segurança Alimentar em Nampula, Pedro Zucule, desafiou o sector privado a tomar as preocupações apresentadas como oportunidade de negócio.

Bancos comprometidos com a causa

O sector bancário disponibilizou-se para apoiar, sobretudo, os produtores das zonas rurais, porque “agricultura faz-se no campo e o financiamento da agricultura faz-se, também, no campo”, tal como disse Paulo Sousa, vice-presidente da Associação Moçambicana dos Bancos.

A CTA exortou o empresariado local a encarar a tarefa de desenvolver a agricultura e transformação e conservação dos produtos para a comercialização no mercado nacional e internacional como um verdadeiro imperativo.

“A CTA abraçou esta iniciativa, porque enquadra-se no seu plano estratégico que preconiza a dinamização do agro-negócio para a sua cadeia de valor, para impulsionar o desenvolvimento do país e reduzir a perda de divisas na importação de produtos e serviços que podem muito bem derivar dos produtos nacionais”, disse Kabir Ibrahimo, representante da CTA.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos