O País – A verdade como notícia

Motorista do Município de Nampula em julgamento

O Tribunal Judicial da Cidade de Nampula iniciou o julgamento de um funcionário do Município de Nampula que, em Abril do ano passado, atropelou mortalmente um adolescente e não prestou socorro à vítima.

Lopes da Silva perdeu o filho mais velho em Abril do ano passado, vítima de um acidente de viação. O veículo envolvido no sinistro é um camião de recolha de resíduos sólidos do Conselho Municipal da Cidade de Nampula, cujo motorista não terá prestado socorro ao sinistrado, nem a edilidade se aproximou à família do finado, o que causou choque e indignação.

“Espero que a justiça realmente seja feita. Para mim, já é uma esperança que renasce em mim, que a justiça seja feita, porque do Município [de Nampula] não senti nenhum conforto, o que senti foi um abandono, um desprezo e arrogância até do próprio motorista”, disse Lopes da Silva, pai de Agnaldo José António Lopes da Silva, adolescente de 13 anos de idade que perdeu a vida no dia 20 de Abril de 2021, quando a motorizada em que seguida, que era conduzida pelo primo de 16 anos, se envolveu num acidente de viação com o camião do Município de Nampula.

Fátima Julieta Lopes da Silva, irmã do malogrado, revela tédio por não contar mais com o seu filho mais velho, que era um companheiro de todos os momentos. “Uma foto só serve para eu me lembrar dele, saber que ele existe, existiu aqui, que já esteve ao meu lado, mas é muito difícil.”

E o Tribunal Judicial da Cidade de Nampula iniciou, esta quarta-feira, o julgamento deste caso, tendo como réu o motorista envolvido no acidente e o adolescente que conduzia a motorizada na qual seguia o filho do senhor Lopes que está na qualidade de declarante.

“Demonstrando que o arguido Amade Tauacal conduzia em excesso de velocidade uma vez que não conseguiu imobilizar a sua viatura no espaço à sua frente,m de modo a evitar o sinistro, até porque a morte da vítima foi breve e, mesmo com a omissão de socorro da vítima, a morte teria ocorrido imediatamente”, disse, na leitura da acusação, o Valdemiro Macucule, magistrado do Ministério Público.

Dentre os crimes da acusação consta o de acidente de viação que resultou em morte, assim como as contravenções ao Código da Estrada, como o excesso de velocidade, não apresentação do seguro contra terceiros, entre outras.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos