O País – A verdade como notícia

Morte dos 111 golfinhos no Bazaruto resultou do encalhamento durante a maré baixa

Os 111 golfinhos recentemente encontrados mortos no Arquipélago do Bazaruto, em Inhambane, encalharam durante a maré baixa, segundo os resultados preliminares avançados esta quinta-feira pela Administração Nacional das Áreas de Conservação (ANAC). A instituição diz que enviou amostras para laboratórios especializados dentro e fora do país, a fim de aprofundar as causas da morte.

A ANAC diz que os animais, da espécie Stenella longirostris, foram encontrados sem vida nos dias 21 e 23 de Fevereiro passado. A equipa intersectorial, liderada pelo vice-ministro do Mar, Águas Interiores e Pescas, Henriques Bongece, concluiu, também, que “não existem sinais de mutilação dos animais ou de contaminação por hidrocarbonetos visíveis”.

Além disso, os golfinhos encontravam-se na parte oeste da Ilha de Bazaruto (área com profundidade que varia entre três e sete metros), onde “normalmente não têm o hábito de entrar”. Assim, “possivelmente ocorreu uma anomalia de navegação”.

De acordo com a instituição, 23% dos 111 golfinhos em referência tinham estômago vazio, o que indica que parte deles não se alimentava no local. Aquando da morte, “não tinha havido quaisquer pesquisas sísmicas na região”.

Ademais, a ANAC relata que um fenómeno semelhante foi “registado pelos habitantes da Ilha em 1997 e 2006”, envolvendo um “número menor de animais”.

Na nota enviada ao “O País”, a entidade explica, igualmente, que dos dois tipos de golfinhos que ocorrem em Moçambique, “a sinistrada é uma espécie oceânica que se desloca para o mar aberto durante a noite para se alimentar em profundidades que variam entre 10 e 50 metros”.

Durante o dia, os mesmos animais deslocam-se para perto da costa de modo a descansar, em áreas com profundidade de até 20 metros.

Sinistrada é uma espécie relativamente abundante, e “amplamente distribuída ao longo do Canal de Moçambique, cuja população é estimada entre 10 e 15 mil e não consta da lista de espécies em perigo de extinção”.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos