O País – A verdade como notícia

“Moments of Jazz” cruza música e artes plásticas 

Não é só música. As artes plásticas também vão fazer parte de mais uma edição do “Moments of Jazz”. Os amantes da música têm motivos mais do que suficientes para testemunhar o espectáculo de Billy Ocean: os sons não virão apenas das colunas, também serão projectados através de cores.
“Sinfonia I”. Este é o nome da mostra que vai acompanhar as sonoridades do astro mundial que pela primeira vez visita Moçambique e, porque não, as de Fernando Luís e Miguel Xabindza, as vozes que vão içar a nossa “bandeira musical”. O título não poderia ser outro, afinal, chama-se Sinfonia, entre outras definições, a harmonia dos sons ou o cruzamento de instrumentos. Eis a proposta do artista plástico moçambicano P. Mourana em oito grandes telas que estarão patentes no Campus da UEM.
“É um sonho antigo fazer esta ponte entre a música e as artes plásticas, puxar o som para a tela e levar a tela ao espectáculo ”, disse o artista, também consciente de que não deixa de ser um teste ou, se preferirmos, um desafio. A ideia de cantar através do cruzamento de cores é a consolidação do seu amor pela música, sentimento que é partilhado por toda a família. Mais do que gostar, Mourana já aventurou-se pela arte musical noutros tempos. Hoje, o artista prefere mesmo os pincéis. Seja como for, a arte continua fervendo em suas veias.
“Quero ver se as pessoas conseguem sentir a música na tela”, deseja Mourana, embora concorde que a leitura musical é bem mais simples por sempre ter existido. Já a pintura… esta requer algum exercício. Mas esta ligeira inquietação é abafada quando se apercebe que as suas telas serão recordadas do mesmo jeito que as músicas que lá forem exibidas: “Para alguns será algo didáctico e poderão se recordar de uma música ao ver o quadro”.
Pedro de S. Betrufe Mourana, mas a conservatória artística registou-o como P. Mourana. Muito cedo (aos 11 anos) integrou a banda municipal de Inhambane, depois de sair Maxixe, sua cidade natal. Ao mesmo tempo inicia um curso de desenho artístico, mas só em 1976, quando vem a Maputo, consolida a arte de desenho e abandona a música. A sua primeira exposição colectiva deu-se em 1979. A partir desse momento e ao longo de toda a sua dilatada carreira vem abordando temas que exaltam o amor, a mulher, a poesia, a música e outros temas de intervenção social, focalizando assuntos inerentes à valorização do património cultural, à exaltação da diversidade cultural, ao diálogo entre as artes, nomeadamente a pintura e a música, tal como será em mais uma festa trazida pela BDQ Concertos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos