O País – A verdade como notícia

Moçambique vai testar eficácia da vacina da tuberculose no combate à COVID-19

Trata-se da vacina BCG (Vacina do Bacilo Calmette-Guérin), usada em Moçambique desde os finais dos anos 70 e que é administrada a crianças logo à nascença, para prevenir a tuberculose. O estudo que irá começar, de princípio este mês, terá como grupo alvo mais de 300 profissionais de saúde.

Num contexto em que o mundo está numa corrida frenética em busca de soluções para travar mortes causadas pela Covid-19, Moçambique, através do Centro de Investigação em Saúde da Manhiça, em parceria com a Faculdade de Medicina da Universidade Eduardo Mondlane, irá iniciar, este mês, um ensaio clínico para avaliar o uso da vacina BCG para o combate à COVID-19.

“A escolha desta vacina veio do facto de, na área científica, se ter notado que nos países do sul da Ásia e de África que usam esta vacina, a incidência da COVID-19 ter sido reduzida, se comparada a outros países que o uso da BCG foi descontinuada. Daí, levantou-se a hipótese que esta vacina pode ser um factor protector para a COVID-19”, revelou Hélio Mucavel, Coordenador da Área das Doenças Respiratórias, no centro de pesquisa.

Entretanto, o pesquisador não deixou de recordar que se “trata de uma hipótese. Dentro dessa possibilidade podem existir outros factores de “confusão” que nos podem estar a levar a esse entendimento. Para o efeito, iremos fazer este estudo num ambiente controlado, através de um ensaio clínico”.

Segundo o centro, além de prevenir a tuberculose, a vacina BCG já mostrou conter efeitos protectores benéficos para outras infecções. No referido estudo participaram 350 profissionais de saúde, que são o grupo mais exposto à doença.

“Iremos pegar esse número de profissionais e dividir em dois grupos. Num iremos administrar a vacina e noutro iremos administrar o soro fisiológico (substância que não produz nenhuma acção) e vamos estudar esses grupos por seis meses. Escolhemos os profissionais de saúde porque são o grupo que está na linha-da-frente do combate à doença. Mais do que isso, surgiu outra hipótese de que a BCG pode reduzir, em cerca de 20 por cento, o absentismo laboral por doença dos profissionais de saúde”.

Quando questionado se a vacina servirá para prevenir ou para combater a doença, Mucavel respondeu nos seguintes termos: “Geralmente as vacinas têm a função de prevenir a ocorrência de doenças, mas por outro, uma vez contraída a doença ou infecção ela pode permitir que o paciente não tenha sintomas graves”.

Além de Moçambique, o mesmo estudo foi desenvolvido em Cabo Verde e na Guiné-Bissau e conta com o apadrinhamento de  vários parceiros.

“Cada país terá a sua velocidade. O estudo tem que passar pelo Comité de Ética de cada país (uma entidade independente que presta assessoria aos ministérios da saúde), e só depois da chancelaria do governo é que se avança para a pesquisa. Na Guiné-Bissau, por exemplo, já estão mais adiantados e começaram com o recrutamento. No caso de Moçambique, estamos no passo final, que é ter a aceitação do Comité de Ética. Precisamos acertar alguns requisitos da nossa parte como centro, para que na melhor das hipóteses começarmos o estudo ainda este mês”, concluiu.

Ao todo, o estudo irá abranger 1.200 profissionais de saúde dos três países, sendo que em Moçambique, numa primeira fase, farão parte das pesquisas sete investigadores.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos