O País – A verdade como notícia

Moçambique vai receber 5,2 milhões de euros para sector florestal

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) e o Banco Mundial assinaram, em Roma, um memorando de doação de 5,2 milhões de dólares para apoiar o governo moçambicano no fortalecimento e gestão sustentável do sector florestal, promover a boa governação, melhorar o sistema de concessões florestais e permitir a participação do sector privado.

O acordo faz parte do Projecto de Investimento Florestal Moçambicano recém-aprovado, forçado em 47 milhões de dólares, financiado pelo Banco Mundial que visa conter o ritmo acelerado do desflorestamento e apoiar o investimento no sector florestal, criando novas oportunidades de renda e subsistência a partir da gestão florestal sustentável para as comunidades rurais, refere um comunicado de imprensa da FAO recebido pela Agência de Informação de Moçambique.

No âmbito deste acordo, a FAO irá fornecer apoio técnico para desenvolver uma estratégia nacional de 20 anos para o sector florestal, rever os quadros institucionais para concessões florestais, com vista a garantir maior transparência, responsabilidade, equidade e sustentabilidade da produção florestal. O acordo também prevê o estabelecimento de concessões onde serão implementadas as melhores práticas.

“Esta parceria irá contribuir para uma mudança transformadora na forma como as florestas são geridas em Moçambique”, disse o vice-director-geral da FAO, Daniel Gustafson, citado no comunicado.

Pela primeira vez, será desenvolvido um Sistema de Informação Florestal digital e georreferenciado para substituir os registos em papel existentes e que irá fornecer um banco de dados confiável e verificado para apoiar políticas estratégicas e decisões de gestão.

A nota indica que os recursos florestais de Moçambique têm um potencial significativo para contribuir para a erradicação da pobreza, mas estão ameaçados pelo desflorestamento, degradação, incêndios, talha ilegal e produção descontrolada de lenha e carvão vegetal.

O director nacional de Florestas de Moçambique, Xavier Sacambuera, disse que as comunidades e o sector privado são partes interessadas na revisão do modelo de gestão florestal.

“As nossas florestas serão protegidas e salvaguardadas e, ao mesmo tempo, usadas como fonte de criação de riqueza para nossas comunidades, visando finalmente melhorar suas vidas”, afirmou.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos