O País – A verdade como notícia

Moçambique regista terceira morte devido à COVID-19

O terceiro óbito registou-se em Nampula, a segunda província com maior número (179) de casos da pandemia. A vítima estava em isolamento domiciliário e perdeu a vida quatro dias depois de receber o resultado dos testes.

Moçambique registou, ontem a terceira vítima mortal resultantes da infecção pela COVID-19, desde o início do processo de rastreio e testagem desta pandemia no país, há sensivelmente, quatro meses.

A mais recente vítima é um idoso de 84 anos de idade, diagnosticado como positivo para a COVID-19 recentemente, tendo perdido a vida na sua residência, na cidade de Nampula, onde cumpria o isolamento domiciliar devido a doença.

“Queremos informar que, nas últimas 24 horas registamos um óbito devido a COVID-19”, anunciou ontem o Director Nacional do Instituto Nacional de Saúde (INS), Illesh Jani, durante a habitual actualização da evolução da pandemia no país.

Segundo a fonte, a vítima “foi atendido no Hospital Central de Nampula, no dia 06/06/2020 com sintomas ligeiros de infecção respiratória. A amostra foi recolhida no próprio dia e o resultado foi reportado como positivo para SARS-CoV-2 no dia 10/06/2020” detalhou Jani.

Com este óbito sobe para três o número de fatalidades relacionadas com a COVID-19 no país, sendo que, nas estatísticas entra, também, uma morte, entre os casos positivos desta doença, cuja morte não está, segundo fontes oficiais, relacionada com o novo Coronavírus.

 

Casos a subir

Nos últimos três dias, Moçambique registou 94 novos casos da COVID-19, o que coloca o último final de semana como dos mais severos no que a casos positivos diz respeito.

Dos casos recentes, 20 foram anunciados na sexta-feira, 44 no sábado e, neste domingo, houve registo de mais 30 casos.

Assim, actualmente, Moçambique conta com um cumulativo de 553 casos positivos registados, dos quais 428 activos e 151 totalmente recuperados.
Numa avaliação comparativa ao resto do mundo, dados da evolução epidemiológica mostram uma curva alarmante de Moçambique, no que a velocidade de transmissão diz respeito.

“Embora Moçambique esteja entre os países da região com menor número de casos por milhão de habitantes, o número de dias para atingir a duplicação de casos no nosso país é de 11 dias – um tempo que coloca a epidemia do nosso País como uma das que mais rápido progride a nível global”, disse Jani.

A média global de dias para a duplicação de casos positivos da COVID-19 é de 36 dias, contudo, em Moçambique o tempo é de 11 dias, o que coloca o país na lista dos 10 países com a velocidade mais elevada. Nampula a preocupar A província de Nampula, única com contaminação comunitária confirmada, continua a registar mais casos e está atrás de Cabo Delgado, com 191.

A distribuição por província indica que Niassa conta com seis casos, Zambézia cinco, Tete 15, Manica – sete, Sofala-13; Inhambane-12; Gaza – quatro, província e Maputo 37 e cidade Maputo 51.

Tal como Nampula, as autoridades de saúde estão atentas às cidades de Maputo e Pemba, onde está iminente a onda de transmissão comunitária.

“A cidade de Nampula continua a registar um padrão de transmissão comunitária. As cidades de Pemba e Maputo registam epidemias que poderão transitar para um padrão de transmissão comunitária”, revelou Illesh Jani.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos