O País – A verdade como notícia

Moçambique regista maior queda do número de mortes por terrorismo

Foto: DW

Entre 2020 e 2021, Moçambique teve a maior queda nas mortes causadas pelo terrorismo que assola principalmente a província de Cabo Delgado, tendo caído 82%, ou seja, de cerca de 507 para 93 casos.

Segundo o Índice Global de Terrorismo (GTI), este resultado deve-se, em grande parte, às operações de contra-insurgência contra o Estado Islâmico (EI) por forças moçambicanas, com o apoio do Ruanda e da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Em conformidade com a mesma fonte, a contra-insurreição diminuiu significativamente as actividades de Boko Haram, com a organização a registar apenas 64 ataques em 2021. As mortes diminuíram em 92% de 2.131 em 2015 para 178 em 2021. O declínio de Boko Haram contribuiu para que a Nigéria registasse a segunda maior redução de mortes por terrorismo em 2021, com o número a cair 47% para 448.

 

ÁFRICA SUBSAARIANA EMERGE COMO EPICENTRO GLOBAL DO TERRORISMO À MEDIDA QUE AS MORTES GLOBAIS DIMINUEM

O Índice Global de Terrorismo (GTI) de 2022 revela que apesar de um aumento dos ataques, o impacto do terrorismo continua a diminuir. Em 2021, as mortes causadas pelo terrorismo caíram 1,2% para 7.142, enquanto os ataques aumentaram 17%, salientando que o terrorismo está a tornar-se menos letal.

Dois terços dos países não registaram ataques ou mortes devido ao terrorismo (o melhor resultado desde 2007) enquanto 86 países registaram uma melhoria na sua pontuação GTI. O número de mortes tem permanecido aproximadamente o mesmo nos últimos quatro anos.

O índice salienta que o terrorismo continua a ser uma ameaça grave, sendo a África Subsaariana responsável por 48% do total global de mortes causadas pelo terrorismo. Quatro dos dez países com os maiores aumentos de mortes causadas pelo terrorismo também se verificaram na África Subsaariana, Níger, Mali, República Democrática do Congo e Burkina Faso.

Na sequência de derrotas militares na Síria e no Iraque, EI deslocou a sua atenção para o Sahel, com as mortes causadas pelo terrorismo a aumentar dez vezes na região desde 2007. O Sahel tornou-se o novo epicentro do terrorismo.

O terrorismo na região é agravado por um elevado crescimento populacional, falta de água e alimentos adequados, alterações climáticas e governos fracos. Para além da complexidade, muitas organizações criminosas estão a representar-se a si próprias como insurreições islâmicas.

O Índice Anual do Terrorismo Global, agora no seu nono ano, é desenvolvido pelo principal grupo de reflexão internacional, o Instituto de Economia e Paz (IEP), e fornece o recurso mais abrangente sobre as tendências do terrorismo global.

 

SITUAÇÃO UCRANIANA E O TERRORISMO

O relatório do GTI admite a probabilidade de a Ucrânia assistir a um aumento do terrorismo. Dados do GTI indicam que, na crise de 2014, o país registou 69 ataques terroristas. Os efeitos de arrastamento do ciberterrorismo para outros países são motivo de grande preocupação. Além dos ciberataques à Ucrânia, a Rússia tem sido creditada com ataques a muitos outros países. É possível que a ameaça do ciberterrorismo aumente globalmente a partir da escalada do conflito na Ucrânia.

O conflito da Ucrânia é susceptível de inverter os ganhos na Rússia e Eurásia, que registaram a maior melhoria em relação ao GTI em 2021, seguidos pela América do Norte. A região MENA melhorou substancialmente, tendo subido dois lugares em relação à região menos pacífica em 2018. Pelo segundo ano consecutivo, o Sul da Ásia é a região mais afectada pelo terrorismo, enquanto a América Central e a região das Caraíbas registaram o menor impacto.

“O terrorismo está a tornar-se mais centrado em zonas de conflito, sustentado por governos fracos e instabilidade política, enquanto que na Europa e nos EUA o terrorismo de motivação política ultrapassou os ataques de motivação religiosa. Como o conflito na Ucrânia domina a atenção global, é crucial que a luta global contra o terrorismo não seja posta de lado. A actividade terrorista no Sahel está a aumentar substancialmente, e é impulsionada por milícias islâmicas”, disse Steve Killelea, fundador e presidente executivo, IEP.

“O declínio do terrorismo no Ocidente coincidiu com a pandemia da COVID-19. As restrições à liberdade de circulação, de viagem e a ameaça imediata à saúde pessoal podem explicar parte da queda. Uma vez removidas as medidas de emergência, há a possibilidade de um aumento da actividade terrorista”, acrescentou.

À medida que a tecnologia tem avançado, também a sua utilização por grupos terroristas. Isto inclui mísseis e drones, que alargam o alcance dos seus ataques e reduzem as suas baixas. Smartphones acessíveis, redes sociais e encriptação são outras tecnologias que também alargam as suas redes, tornando mais fácil a difusão da propaganda e do recrutamento.

O relatório identifica os Estado Islâmico e os seus afiliados como o grupo terrorista mais mortífero do mundo em 2021, apesar das mortes atribuídas ao grupo terem diminuído ligeiramente de 2.100, para 2.066 mortes. O pior ataque de 2021 ocorreu quando um bombista suicida do EI detonou duas bombas no Aeroporto Internacional de Cabul, no Afeganistão, resultando em 170 mortos e mais de 200 feridos.

Jamaat Nusrat Al-Islam Wal Muslimeen, que opera no Sahel, é a organização terrorista de crescimento mais rápido do mundo e foi responsável por 351 mortes em 2021, um aumento de 69%. O grupo terrorista mais letal do mundo foi o Estado islâmico da África Ocidental, onde no Níger cada ataque causou em média 15 mortes.

Os ataques no Ocidente diminuíram significativamente, caindo 68% em 2021, em relação ao pico em 2018. No total, houve 113 ataques na Europa em 2021, e sete ataques nos EUA. Os EUA registaram uma melhoria significativa no impacto do terrorismo, registando a sua pontuação mais baixa no GTI desde 2012. Registaram-se três ataques de extremistas islâmicos na Europa, o montante mais baixo desde 2014.

Nos últimos três anos, no Ocidente, houve uma mudança significativa nos instigadores do terrorismo. Os actos de terrorismo religioso diminuíram 82% em 2021, e foram ultrapassados pelo terrorismo politicamente motivado, que é agora responsável por cinco vezes mais ataques.

A maioria dos ataques impulsionados por uma ideologia de esquerda ou direita são perpetrados por indivíduos ou grupos sem afiliação formal a uma organização reconhecida. Os alvos destes ataques são frequentemente semelhantes, tipicamente organizações governamentais ou figuras políticas, e as motivações são semelhantes. Ambos os cortes são radicalizados em linha e desprezam o sistema existente.

Os ataques no Reino Unido diminuíram para metade em 2021, para 12, o número mais baixo desde 2008, com apenas um a ter motivações religiosas. Os EUA registaram sete ataques, sendo cinco de motivação política e os restantes dois não classificados. A França registou sete ataques em 72% menos do que os 25 registados em 2020.

As condições mais estreitamente associadas ao terrorismo variam em função dos factores sociais e económicos de um país. Existe uma ligação clara com o terror político e uma falta de aceitação dos direitos humanos básicos para a maioria dos países. Para os países da OCDE, existe uma forte relação entre o aumento do terrorismo e as desigualdades sociais, bem como um acesso mais fácil às armas e uma maior militarização. Para outros países, instituições fracas, queixas de grupo e terror político são factores significativos na condução do terrorismo.

 

TERRORISMO ESTÁ A TORNAR-SE CADA VEZ MAIS CONCENTRADO

O GTI utiliza uma série de factores para calcular a sua pontuação, incluindo o número de incidências, mortes, feridos e reféns, e combina-o com dados de conflitos e socioeconómicos para fornecer uma imagem holística do terrorismo.

O Índice mostra que o terrorismo está a tornar-se cada vez mais concentrado, contraindo-se em países que já sofrem de conflitos violentos.

As zonas de conflito foram responsáveis por 97% de todas as mortes. Os dez países mais afectados pelo terrorismo encontram-se todos em zonas de conflito. Apenas 44 países registaram uma morte causada pelo terrorismo em 2021, em comparação com 55 países em 2015.

O maior aumento do terrorismo ocorreu em Myanmar, onde as mortes aumentaram 23 vezes de 24 para 521, seguido pelo Níger, onde as mortes duplicaram, aumentando de 257 em 2020 para 588 em 2021.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos