O País – A verdade como notícia

Moçambique entre os países com mais crianças nas zonas de guerras mais mortíferas

Um número recorde de quase 200 milhões de crianças vive nas zonas de guerra mais letais do mundo, muitas das quais estão, igualmente, em risco de mudanças climáticas e a enfrentar níveis de fome sem precedentes, revela um novo relatório da Save the Children.

Uma nova análise da Save The Children revela que mais de 330 milhões de crianças estão em risco de recrutamento para grupos armados e órgãos governamentais em todo o mundo, três vezes mais do que em 1990.

Um número recorde de quase 200 milhões de crianças vive nas zonas de guerra mais letais do mundo, muitas das quais estão igualmente em risco de mudanças climáticas e a enfrentar níveis de fome sem precedentes, segundo a Save the Children.

O sexto relatório examina as tendências de conflito para crianças e constata que o número de pessoas que vive no seio de conflitos letais em 13 países aumentou quase 20% em 2020, de 162 milhões um ano antes, mostrando que a pandemia global e o apelo das Nações Unidas para um cessar-fogo global não foram o suficiente para parar essas guerras.

Este aumento acentuado foi impulsionado, em parte, por surtos de violência em Moçambique, bem como conflitos em curso no Afeganistão, na RDC, na Nigéria e no Iémen, que já estão na linha de frente dos piores impactos das mudanças climáticas e ainda a lidar com crises de fome que ameaçam a vida.

O relatório, intitulado “Parar a Guerra contra as Crianças, uma Crise de Recrutamento”, revela também que 337 milhões de crianças viviam perto de grupos armados e forças governamentais que recrutam crianças, um aumento de três vezes em relação a três décadas atrás (99 milhões em 1990).

O número de países onde as crianças são recrutadas (e onde mais da metade das crianças do mundo, quase 1,3 bilião vive) também aumentou para 39, o maior em 30 anos.

De acordo com a nova análise, Afeganistão, Síria, Iémen, Filipinas e Iraque têm a maior percentagem de crianças que vivem perto de um grupo armado ou força que recruta crianças, deixando-as em maior risco de recrutamento.

A pobreza e a impossibilidade de frequentar a escola (factores que só pioraram com a pandemia) estão entre os motivos pelos quais as crianças são mais vulneráveis ​​ao recrutamento por grupos e forças armadas, onde as suas funções podem variar de lutar na linha de frente a guarnecer os postos de controlo. Muitos também são atraídos por esses grupos em busca de um sentimento de pertença, protecção contra abusos, status ou vingança.

Embora as meninas representassem apenas 15% dos casos de recrutamento relatados pela ONU em 2020, elas costumam ser visadas para actuar como espiãs, colocar minas e artefactos explosivos improvisados ​​ou actuar como “homens-bomba”, porque têm menos probabilidade de chamar a atenção. A sua vulnerabilidade, baixo status e género também as tornam susceptíveis a abusos generalizados.

As crianças usadas por grupos e forças armadas correm maior risco de lesões, incapacidades, doenças físicas ou mentais crónicas, doença de estresse pós-traumático, violência sexual e morte.

“É simplesmente horrível que, à sombra da COVID-19 e do apelo da ONU por um cessar-fogo global, mais crianças do que nunca foram apanhadas na mira das zonas de guerra mais mortíferas – onde já enfrentam mais secas, inundações e fome, e com maior probabilidade de serem feridas, recrutadas ou mortas. Nem mesmo uma pandemia global foi suficiente para impedir as guerras e atrocidades mais brutais. Milhões de crianças não conheceram nada além de guerras com consequências terríveis para a sua saúde mental, capacidade de ir à escola ou acesso a serviços que salvam vidas. Isso é uma mancha na comunidade internacional e não pode continuar. Sabemos que podemos enfrentar os maiores desafios do nosso tempo e alcançar um progresso notável quando trabalhamos juntos, como o recente desenvolvimento das vacinas COVID. Agora, temos que fazer o mesmo para proteger as crianças dos horrores de conflitos”, disse Inger Ashing, directora global da Save the Children International.

Ainda em conformidade com a Save the Children, mais de 450 milhões de crianças em todo o mundo (ou 1 em cada 6) viviam em uma zona de conflito, um aumento de 5% em relação a 2019 e o maior número em 20 anos. O número de conflitos em 2020 foi idêntico ao de 2019 e o de grupos armados que recrutam crianças aumentou durante a pandemia para 110, em comparação com 85 em 2019.

Segundo as Nações Unidas, quase 8,600 casos de recrutamento e uso de crianças em 2020 (cerca de 25 por dia) apesar da pandemia global, um aumento de 10% em relação ao ano anterior. Esses números, entretanto, provavelmente representam apenas uma fracção dos casos reais.

Entre as suas recomendações, a Save the Children chama os líderes mundiais, especialistas em segurança, doadores, membros da ONU e ONG a trabalharem juntos para responsabilizar os perpetradores dessas violações, para garantir que todas as políticas e estruturas jurídicas relevantes sejam ratificadas e implementadas, e garantir que os doadores e Governos priorizem o financiamento da protecção da criança em respostas humanitárias (que está num nível baixo) para apoiar as crianças afectadas por conflitos, incluindo aquelas que são recrutadas.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos