O País – A verdade como notícia

MISAU recebe material de prevenção da COVID-19

O Ministério da Saúde recebeu, hoje dos seus parceiros, um equipamento de prevenção contra a COVID-19. Armindo Tiago diz que a doação é oportuna numa altura em que o país está em alerta máximo para evitar uma terceira vaga da pandemia.

Os dados da Organização Mundial da Saúde mostram uma tendência crescente do número de países que já estão a lutar contra a variante indiana da COVID-19 e são contabilizados pelo menos 44. Moçambique é um dos países que ainda não conta com esta estirpe do novo Coronavírus e o ministro da Saúde declarou que o país está em alerta máximo para evitar uma terceira vaga.

Um dos caminhos é o contínuo cumprimento das medidas de prevenção que, esta quarta-feira, foram reforçadas pelos parceiros do Ministério da Saúde que doaram mais equipamentos. Através da USAID, do Governo norte-americano, vieram as máquinas de raio X e a Sasol deu combustível e álcool de desinfecção.

“Para além da detecção da tuberculose, uma doença que afecta, pelo menos, 110 mil moçambicanos por ano, estes sistemas radiológicos avançados poderão ser utilizados para diagnosticar e tratar a pandemia da COVID-19, aumentando a capacidade global do sistema de saúde moçambicano”, apontou Martin MacLaughlin, director-adjunto da USAID Moçambique.

Já a doação da Sasol é, na verdade, o culminar de um processo que iniciou com a pandemia. “Em nome da Sasol, venho anunciar que concluímos com a aquisição e distribuição de 250 mil litros de combustível para carros de emergência usados para o tratamento de casos relacionados com o novo Coronavírus”, declarou Ovídio Rodolfo, director-geral da Sasol em Moçambique.

Juntaram-se às doações os bancos de Investimento Global e para o Comércio e Desenvolvimento da África Austral e Oriental que contribuíram com luvas cirúrgicas e máscaras N95, respectivamente.

“Numa interacção com o Ministério da Saúde, ficámos a saber que faltavam luvas e nós, como instituição, decidimos doar 11 mil pares de luvas cirúrgicas que podem não ser muitas, mas custaram muito dinheiro”, disse Salvador Namburete, PCA do Banco de Investimento Global, num tom de brincadeira.

O Banco para o Comércio e Desenvolvimento da África Austral e Oriental optou pelas máscaras. “A nossa instituição procede, hoje, a entrega às autoridades moçambicanas de 28 mil máscaras N95 avaliadas em cerca de 100 mil dólares americanos”, avançou Isabel Sumar do Banco para o Comércio e Desenvolvimento da África Austral e Oriental.

Numa cerimónia que contou com a presença do ministro da Economia e Finanças, o titular da pasta da Saúde, Armindo Tiago, que sublinhou a importância do reforço da prevenção para evitar uma terceira vaga da COVID-19 no país.

“Aproveitar essa oportunidade para exortar a todos os moçambicanos, incluindo os que tomam a vacina, para continuarem a cumprir as medidas de prevenção, como a lavagem das mãos, uso de máscara e distanciamento social e, só assim, podemos evitar a entrada da nova estirpe no país”, apelou Armindo Tiago, ministro da Saúde.

O Instituto Nacional de Saúde anunciou o fim da segunda vaga da pandemia no país e a variante indiana do Coronavírus já foi detectada na vizinha África do Sul.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos