O País – A verdade como notícia

MISAU diz que nova variante da COVID-19 que atinge pessoas mais jovens coloca o país em alerta

O Ministério da Saúde (MISAU) chama atenção para o reforço das medidas de prevenção da COVID-19, devido ao surgimento da nova variante da doença que afecta pessoas mais jovens. A vizinha África do Sul já detectou uma nova estirpe “501.V2” do vírus – à semelhança do aconteceu na Itália, no Reino Unido e na Inglaterra – comunicou à Organização Mundial da Saúde (OMS).

Com a nova variante, a doença chega a submeter os jovens a níveis graves da COVID-19. Moçambique está em situação de alerta porque a nova estirpe chegou à vizinha África do Sul, numa altura em que muita gente proveniente da terra do rand entra no país para passar a quadra-festiva.

“O facto de a nossa vizinha África do Sul, país com o qual Moçambique tem uma grande interacção interpessoal e económica, ter identificado uma variante da SARS-COV-2, que afecta mais a população jovem, mostra que devemos continuar sob alerta para esta doença”, chamou atenção, ontem, Benigna Matsinhe, directora nacional adjunta de Saúde Pública.

Face à nova realidade, o Ministério da Saúde apela os jovens a terem mais cuidados com a doença. “O que nós queremos transmitir para a população é que cada vez mais devemos reforçar as medidas de prevenção sobretudo nesta camada (jovem) que muitas vezes tem sido a que menos cumpre com as medidas”, apelou Benigna Matsinhe.

Benigna Matsinhe reforçou ainda que, “até agora, o que se sabe é que as formas de transmissão, tanto da [COVID-19] que estamos a viver, como das novas variantes, são similares. Está-se a dizer que há jovens agora que também são mais afectados com formas graves da doença na África do Sul e não em Moçambique”, esclareceu a directora nacional adjunta de Saúde Pública.

Segundo o governante sul-africano, citado polo Diário de Notícias, a equipa de investigação científica sul-africana, liderada pelo Professor Tulio de Oliveira, do Centro de Inovação e Pesquisa da Universidade do KwaZulu-Natal (KRISP, na sigla em inglês), sequenciou centenas de amostras de todo o país desde o início da pandemia em Março. “Os investigadores notaram que uma determinada variante dominou os resultados dos últimos dois meses”, explicou Mkhize.

Itália detectou igualmente caso de nova variante da COVID-19 identificada no Reino Unido, onde tem-se espalhado e, segundo o governo britânico, pode ser até 70% mais contagiosa do que as variantes anteriores, refere a DW.

A Austrália divulgou esta segunda-feira que também detectou casos da mutação em dois viajantes que estiveram em Nova Gales do Sul. Ambos estão em quarentena, e o pico recente de infecções de Sydney não tem relação com o facto, de acordo com as autoridades locais, conforme relata a imprensa internacional.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos