O País – A verdade como notícia

Ministério da Justiça sem pormenores sobre “escândalo de Matalana”

O debate sobre as 15 instruendas engravidadas pelos seus instrutores na Escola Prática da Polícia de Matalana (EPP-Matalana), continua a ser marcante no espaço público com vozes que se levantam de diversos cantos. Embora o caso esteja a ser bastante mediatizado, o Ministério da Justiça assume que ainda não teve tempo para inteirar-se sobre o assunto.

“Nós ainda não tivemos tempo suficiente para sentar e perceber quais são os contornos do que aconteceu em Matalana”, assumiu em declarações a jornalistas, Helena Kida, Ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos.

Kida que falava hoje disse ser melhor esperar pelo pronunciamento do Ministério do Interior (MINT).

“Eu penso que nada é melhor que esperar. Esperar pelos pronunciamentos dos titulares do Ministério do Interior”, afirmou a ministra.

Entretanto, até ao momento não há sinais de possível pronunciamento público do MINT, mas de outros quadrantes têm havido pronunciamentos de condenação e o Provedor de Justiça, Isac Chande, junta-se a essas vozes:

“É lamentável que isto esteja a acontecer”, declarou Chande, que apelou à “não ilusão”, pois, no seu entender, similar promiscuidade relatada na EPP-Matalana também ocorre em outras instituições.
“É possível que haja outras situações que não conhecemos. Mas o mais importante é que eu sinto que a sociedade moçambicana tem condenado essa atitude”, disse o Provedor.

A ministra da Justiça, Assuntos Constitucionais e Religiosos, Helena Kida, e o Provedor de Justiça, Isac Chande, falavam hoje em Maputo à margem do lançamento do processo de recolha de informação para a elaboração do relatório de Moçambique, sobre a Revisão Periódica Universal dos Direitos Humanos. Um documento que será publicado em Maio do próximo ano.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos