O País – A verdade como notícia

MINEDH garante que alunos deslocados já estão a estudar

O Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano (MINEDH) garante que já está em curso e em fase avançada a reintegração dos mais de 77 mil alunos deslocados devido aos conflitos armados  na região centro e província de Cabo Delgado.

Sem avançar o número total de alunos que já se encontram a estudar, a ministra da Educação e Desenvolvimento Humano, Carmelita Namashulua mencionou que em Cabo Delgado, já foram reintegrados 379 alunos da 12ª classe, 464 da 10ª Classe e 118 alunos da sétima classe e 110 educandos na alfabetização e educação de adultos.

Para os alunos que procuraram refúgio na província de Nampula, ainda decorre o processo de levantamento destes, de professores e de outros profissionais de educação nos centros de acomodação e em outros locais.

Contudo, “na província de Nampula, na 12ª classe foram reintegrados 71 alunos, 10ª classe 84 alunos e na sétima classe 159 alunos”, referiu a ministra.

Segundo Carmelita Namashulua, na zona centro do país, a província da Zambézia igualmente recebe alunos deslocados devidos aos conflitos armados, sendo ao todo 121, 83 dos quais no distrito de Mocuba e 38 em Nicoadala.

De acordo com a governante “todos estes alunos já foram enquadrados nas escolas próximas dos seus locais de residência”.

Ao todo em Sofala, foram reintegrados 305 alunos da 12ª, 10ª e 7ªclasses. Em Manica, dos 600 alunos deslocados da 1ª a 8ª classes, apenas 30 é que já foram integrados, da 7ª classe.

A informação foi avançada na manhã desta terça-feira durante a cerimónia de abertura do primeiro Conselho Coordenador deste órgão.

GOVERNO PREVÊ CONTRUIR MAIS ESCOLAS ATÉ 2024

Durante a abertura do evento que tem duração de três dias, Carmelita Namashulua fez saber que está previsto para 2024 a construção de 3.355 salas de aulas para o ensino primário.

Em relação às infraestruturas, o governo pondera ainda aumentar mais 200 em três anos, mas receia que por causa da pandemia da COVID-19 estes dados possam sofrer alguns reajustes, como forma de garantir que sejam obedecidas as medidas de prevenção da pandemia.

“Para garantir a comodidade dos nossos alunos, alocaremos 42 mil carteiras até ao final do presente quinquénio e até ao final do mesmo período contrataremos perto de 50 mil professores”, disse.

O MINEDH pretende aumentar a taxa de escolaridade, de 94 para 98 %, dos alunos com mais de seis anos, na primeira classe e de 32 para 43, do primeiro ciclo do ensino secundário.

AULAS RETOMARAM MAS HÁ ESCOLAS AINDA SEM CONDIÇÕES  

Três semanas após a última fase da retoma às aulas, ainda há escolas que não reúnem requisitos para o retorno seguro.

São escolas localizadas um pouco por todo país, no entanto, destacam-se as localizadas nas províncias de Cabo Delgado, Sofala e Manica, que por causa dos conflitos armados ainda não retomaram as aulas.

Há igualmente, escolas em Nampula, Niassa e Maputo que estão na mesma situação, por falta de condições.

Entretanto, a porta-voz do Ministério da Educação, Gina Guibunda garantiu que os alunos dessas escolas não serão prejudicados pela retoma tardia.

“Os alunos da sétima classe vão fazer os exames como os outros, os conteúdos já estão a ser reajustados, mas as escolas que ainda não retomaram, também estão a preparar-se para logo que retomarem as aulas, adoptarem medidas para compensar o tempo que os alunos não estiveram presentes”.

Todos institutos de formação de professores já retomaram as aulas, com excepção do Instituto de Formação de Professores de Lichinga.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos