O País – A verdade como notícia

Mesquita diz que houve problemas na reconciliação de contas entre LAM e PUMA 

Momentos depois d’ O País ter sido notificado da existência de 300 passageiros das Linhas aéreas de Moçambique que não poderiam voar por falta de combustíveis nas aeronaves, o Ministro do pelouro de transportes reagiu.

Carlos Mesquita disse que o problema teve origem nas dificuldades de conciliação de contas entre a empresa Linhas Aéreas de Moçambique e a Puma, empresa fornecedora de combustíveis.

“Tenho conhecimento de que houve distúrbios sob ponto de vista de gestão da LAM, que causaram o atraso e cancelamento de voos no período da manhã”.

Mesquita garantiu que já estava tudo a ser feito para resolver o problema. “Tenho também informações de que ocorreram reuniões de trabalho entre as empresas esta manhã para terminar a reconciliação de contas porque os pagamentos estão a ser feitos e deve ter havido um ruído qualquer no processo de registo deste pagamento”, explicou Mesquita. 

O problema de cancelamento de voos da companhia já é considerado de barba branca e mais frequente nos últimos tempos. Sobre isso, Mesquita disse que é um processo normal, tendo em conta que muitas empresas do seu peloiro estão num processo de reestruturação.

“Precisamos, é, de ter cautela na avaliação porque quando falamos de aviação tem um tratamento completamente distinto dos outros tipos de transporte”, explicou Carlos Mesquita, acrescentando que “para além de instrumentos de regulação doméstica, há aspectos de índole internacional que é preciso fazer o devido acasalamento para que não haja depois maus entendimentos e criar-se mais problemas do que os que já temos”.

Foram pronunciamentos que se distanciaram em grande medida do comunicado de imprensa que foi emitido no final da tarde pela empresa Linhas Aéreas de Moçambique, no qual a empresa reconhece mesmo que se tratou de limitações financeiras. Para ultrapassar o problema, teve de manter conversações com a Puma, onde foi encontrada um solução e até o fim da manhã a situação voltou à normalidade.

 

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos