O País – A verdade como notícia

Membro das FADM envolvido num crime de assalto à mão armada em Maputo

Foto: O País

Uma pessoa morreu na sequência de um acidente de viação, ocorrido na madrugada de hoje, na Cidade de Maputo. O sinistro terá sido provocado por um militar, quando supostamente tentava assaltar um cidadão na via pública, com recurso a uma arma de fogo.

À primeira vista, parecia tratar-se de um acidente de viação comum. Aliás, foi o que relataram as testemunhas que também acrescentaram haver contornos estranhos nos envolvidos no sinistro. Damião Ussufo conta o que se viveu naquele local quando o estrondo violento acordou os residentes dos bairros Inhagoia e Jardim.

“Na altura do acidente, ele tentou empreender uma fuga, mas foi imobilizado pela população e, quando entramos aqui, na vala, e viramos o carro, encontramos uma arma. Encontramos garrafas de bebidas alcoólicas e muitas outras coisas. A Polícia veio e levou os dois sobreviventes para a esquadra, uma vez que o outro morreu.”

Afinal, aquele evento não era acidente de viação comum, senão um despiste e capotamento antecedido de contornos criminais.

Um dos homens, que conduzia, na madrugada desta sexta-feira, um carro ligeiro de marca Mercedes Benz, conta que foi interceptado por dois homens, sendo um militar e outro civil, que seguiam numa viatura do Ministério da Defesa Nacional e, com recurso a arma de fogo, ameaçaram-no e, por temer pela sua vida, fugiu.

“Eles perseguiam-me, eu não quis parar, iam encostando a viatura, batendo a viatura e, na tentativa de fugir, obrigaram-me novamente a parar, mas eu não parei, encostaram a arma do lado do motorista, eram dois jovens e, na Avenida Joaquim Chissano, o carro acabou por capotar.”

Vários membros das FADM dirigiram-se à 17ª esquadra, onde está um dos seus membros que supostamente terá usado o carro de serviço e a arma do exército para protagonizar assaltos. Uma fonte do Ministério da Defesa Nacional confirmou que o carro é mesmo daquela instituição do Governo e o indiciado é mesmo militar com a categoria de segundo cabo e com três anos de carreira no exército moçambicano.

Consta que, ontem, depois da jornada laboral, o militar recebeu instruções do seu superior hierárquico para que fosse descansar para logo cedo ir buscá-lo, mas este preferiu levar o seu amigo e juntos protagonizar assaltos.

O indiciado refuta as alegações que pesam sobre si e diz que apenas estava a seguir viagem com a vítima normalmente como de amigos se tratasse, afastando, assim, a teoria de que tentava roubar.

“Não queríamos arrancar-lhe dinheiro, não estávamos a persegui-lo, estava em cima da hora, queria ir à casa descansar”, contou e, quando questionado acerca da arma encontrada no carro, o indiciado disse que é do seu comandante.

A Polícia diz tratar-se de criminosos que se aproveitam dos meios do Estado para praticar crimes. Leonel Muchina, porta-voz do Comando da PRM, na Cidade de Maputo, diz lamentar a morte de um dos implicados e que o sobrevivente será responsabilizado pelo crime que cometeu.

“Neste acidente, a viatura dos criminosos capotou e um dos criminosos perdeu a vida, tendo sido detido apenas este cidadão supostamente pertencente às Forças Armadas de Defesa de Moçambique e com ele foi apreendida uma pistola com oito munições.”

Em consequência do acidente, houve congestionamento na Avenida Joaquim Chissano, local do sinistro, bem como nas ruas próximas ao bairro Jardim.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos