O País – A verdade como notícia

Melissa Babil e Nelson Faquirá representam Moçambique na Zâmbia

Chamam-se Melissa Babil e Nelson Faquirá e vão representar Moçambique em na capital zambiana Lusaka, na Academia para jovens criativos de África.

De acordo com uma nota de imprensa, os jovens seleccionados iniciarão o seu programa de formação de um ano nas Academias Multichoice Talent factory (MTF), a partir do próximo mês, juntando-se a outros 58 jovens seleccionados de outros países.

A indicação dos jovens Melissa e Nelson, avança a nota, ocorre após um rigoroso processo de entrevista e adjudicação por especialistas em cinema e televisão que durou cerca de seis semanas e que teve lugar simultaneamente em 13 países africanos.

Agnelo Laíce, Director-Geral da Multichoice Moçambique, mesmo a propósito da apresentação dos representantes do país na Zâmbia, afirma: “Os estudantes moçambicanos vão integrar a incubadora que é também conhecida como Multichoice Talent factory, que é a principal actividade de Responsabilidade Social da MTF, cujo objectivo é promover o desenvolvimento do talento e da indústria cinematográfica e televisiva. Pretende-se que as histórias de África sejam contadas através do cinema, mostrando-as dentro e fora do continente. Este ano, seleccionamos dois jovens moçambicanos que são a Melissa e Nelson para integrarem a turma de 2022. Desejamos sucessos e fazemos votos para que honrem e prestigiem a participação de Moçambique, tal como o fizeram outros estudantes que participaram em 2020 e 2021”.

Depois de terminarem o curso, os estudantes estarão livres de seguir suas carreiras. Entretanto, a Multichoice seleccionou os estudantes com mérito e que neste momento trabalham em sete países. “Eu já sou técnica de multimédia e levo comigo um certo conhecimento em termos de fotografia e vídeo. Espero apreender mais experiência com outros estudantes, representando perfeitamente o país. Moçambique tem muitas histórias, muita música, muita dança. Vou levar comigo essa bagagem cultural”, explicou Melissa Babil.

Já para Nelson Faquirá: “Tenho alguma experiência a nível do cinema. Comecei há pouco tempo, mas fui agregando valor e tenho algumas obras em festivais. A minha expectativa em relação à formação é conseguir trazer mais conhecimento para acrescer valor à nossa indústria cinematográfica e representar o país condignamente. Esta é uma oportunidade que vai nos fazer mostrar o quanto podemos fazer e a palavra que Moçambique tem no cinema africano”.

No seu terceiro ano, a MultiChoice Talent Factory formou e melhorou as competências de 120 cineastas emergentes em 13 países do continente, que fazem agora parte da crescente rede de antigos alunos da MTF, os quais têm levado histórias africanas a todo o mundo.

O esforço levou a oportunidades ainda maiores, pois os alunos beneficiaram de um curso de formação online intensivo de três semanas da New York Film Academy. Formulado em parceria com a NYFA, este curso faz agora parte do currículo da MTF, no qual a nova turma aprenderá como produzir micro-documentários, anúncios de serviço público, anúncios de televisão e vídeos musicais. Este tipo de formação amplia o conjunto de competências e permite que os estudantes formados sejam economicamente activos em diversos sectores, não apenas na indústria cinematográfica.

De acordo com a CEO da General Entertainment & Connected Video, Yolisa Phahle, tal é exactamente o que a indústria precisa e o motivo pelo qual a MTF foi lançada. “Como o contador de histórias mais estimado de África, o nosso compromisso não é apenas contar histórias africanas autênticas, mas também investir nelas, é por isso que alguns dos nossos ex-alunos estão a trabalhar em produções da M-Net e Showmax. Actualmente, temos ex-alunos em sete países a trabalhar em produções da M-Net e Showmax e a lista continua a crescer. Estão a ajudar-nos a concretizar a visão de levar as histórias africanas ao mundo com uma abordagem ‘hiperlocal’, produzindo conteúdos relevantes nas respectivas regiões do nosso continente, em oposição a uma estratégia única,” lê-se no comunicado.

O currículo da academia MTF foi formulado em conjunto com as instituições parceiras da MultiChoice Africa, designadamente, a Universidade Pan-Atlantic em Lagos, a Universidade Queniatta em Nairobi, e a Universidade da Zâmbia em Lusaka, as quais conferirão a respectiva qualificação do curso após a conclusão do programa da academia. Adicionalmente, a The Henley Business School oferecerá uma intervenção de orientação para os alunos no início e no final do programa de 12 meses, bem como workshops sobre Negócios para Criativos com foco no empreendedorismo.
Além da academia, a MTF disponibiliza de várias plataformas de aprendizado por toda a África. O segundo pilar do programa da MTF são as masterclasses da MTF, que têm como objectivo melhorar a qualificação dos profissionais do sector e os criativos emergentes, oferecendo acesso exclusivo a workshops de competências práticas conduzidas por especialistas de todo o continente. Através das masterclasses, a MTF formou mais de 1000 criativos desde 2019. O Portal MTF é o terceiro pilar, posicionando-se como um mercado digital pan-africano para mais de 40 mil criativos que estão registados e têm acesso a masterclasses e perfis online gratuitos.

Partilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

RELACIONADAS

+ LIDAS

Siga nos